Excessos foram documentados em vídeo e mostram agentes da PM chutando o rosto de um jornalista caído no chão

Agência Brasil

O Comando da Polícia Militar (PM) determinou a abertura de inquérito para apurar atos de violência cometidos por policiais durante a manifestação de domingo (13) na Tijuca, na zona norte da cidade do Rio de Janeiro. De acordo com nota divulgada pela PM, vídeos de cinegrafistas amadores mostram atos a violência policial.

Além de abrir o inquérito policial-militar (IPM), o comando repudiou os excessos cometidos por seus subordinados que acompanhavam o protesto. Um dos vídeos, feitos pelo Jornal Nova Democracia, mostra um policial militar chutando o rosto de um jornalista, que já estava caído no chão. Ele é observado por outros policiais que nada fazem para impedir a ação.

Leia mais:
Em audiência, movimentos sociais criticam criminalização das manifestações
OAB e Anistia Internacional criticam prisões de mais de 30 ativistas anti-Copa
Polícia do Rio prende suspeitos de atos violentos em protestos anti-Copa
MP denuncia funcionário da USP preso durante protesto anti-Copa em SP

O Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro divulgou nota no fim da noite de ontem informando que 15 jornalistas foram agredidos por policiais ou se feriram com armas não letais desses agentes. Manifestantes também se feriram.

A PM diz que todas denúncias e imagens relativas ao excesso na ação de policiais militares estão sendo encaminhadas à corregedoria da corporação para ajudar nas investigações. Cidadãos podem fazer denúncias à Ouvidoria da Polícia pelo telefone 3399-1199.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.