Os manifestantes seguiram com faixas e cartazes com os dizeres: "Protesto não é crime" e "Libertem os presos políticos"

Agência Brasil

A passeata seguiu pacífica em direção a Praça Saenz Peña, no centro comercial da Tijuca
Reprodução/Coletivo Tatu
A passeata seguiu pacífica em direção a Praça Saenz Peña, no centro comercial da Tijuca

O Comitê Popular da Copa promoveu manifestação neste domingo (13) na Praça Afonso Pena, na Tijuca, contra o fim dos despejos e remoções forçadas, a desmilitarização das polícias e a democratização dos meios de comunicação, além da soltura de ativistas presos nesse sábado (12) em uma operação da Polícia Civil e estão com a prisão temporária decretada pelo juíz da 27ª Vara Criminal da Capital.

Leia mais:
OAB e Anistia Internacional criticam prisões de mais de 30 ativistas anti-Copa
Polícia do Rio prende suspeitos de atos violentos em protestos anti-Copa
MP denuncia funcionário da USP preso durante protesto anti-Copa em SP

O representante do Comitê Popular da Copa, Hertz Viana Leal, disse que o protesto é contra os gastos excessivos na construção dos estádios, por maior participação dos movimentos populares em decisões de governo e pelo direito à manifestação.

"Hoje, em especial, estamos nas ruas para pedir a liberdade de pelo menos 19 companheiros que estão presos por se manifestar e ter uma posição mais contundente nas ruas. Uma das bandeiras principais é pela liberdade dos presos [que nós consideramos] presos políticos".

Veja também:
Especial iG: 1 ano das manifestações de junho
Um ano depois, qual o saldo dos protestos de junho de 2013?

Leal disse ainda que o grupo Copa na Rua disse apoia a luta dos manifestantes por uma cidade mais democrática. "Daqui, nós vamos para a Praça Saenz Peña, onde também está havendo uma manifestação que é do pessoal das favelas", disse. "Enquanto houver violência policial não há democracia", concluiu.

Confira imagens de protestos anteriores contra a Copa em São Paulo:

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.