Anistia Internacional lança campanha em defesa de prostitutas agredidas no Rio

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Em maio, 300 mulheres foram obrigadas a deixar prédio, em meio a uma operação de combate à exploração sexual

Agência Brasil

Reuters
Em ação despejo, mulheres foram forçadas a fazer sexo oral em policiais

A organização não governamental (ONG) Anistia Internacional lançou esta semana campanha para denunciar estupro e extorsão de profissionais do sexo em Niterói, no Rio de Janeiro. As violações foram cometidas durante despejo considerado ilegal, de prostitutas, pela Polícia Civil, no Edifício Nossa Senhora da Conceição.

No dia 23 de maio, cerca de 300 mulheres foram obrigadas a deixar o prédio, em meio a uma operação de combate à exploração sexual que tinha 176 mandados de busca e apreensão. Um mês depois, por denunciar publicamente agressões sofridas no dia do despejo, uma das prostitutas foi sequestrada, ferida e ameaçada. Ela vive escondida.

Acompanhe mais notícias do Último Segundo
Siga o Último Segundo pelo Twitter
Fique por dentro de outras notícias pelo Facebook do Último Segundo

Ao lançar a campanha, a organização cobra uma investigação independente sobre as denúncias de violência policial, extorsão, detenção arbitrária e despejo ilegal contra as profissionais que moravam e recebiam os clientes no edifício.

Segundo relato das vítimas, a Polícia Civil também plantou evidências para incriminar e deter as profissionais sem mandados, afirma a anistia. A ONG cobra ainda proteção urgente à Isabel *, a prostituta que denunciou o ocorrido.

No dia 21 de junho ela foi sequestrada, obrigada a entrar em um carro onde foi ferida nos braços com uma lâmina de barbear e ouviu ameças de morte contra si e o filho pequeno. Segundo a anistia, os algozes queriam que Isabel parasse de dar declarações públicas e à imprensa.

Veja também:
As veteranas da prostituição no centro de SP

Marta*, de 65 anos, trabalha há 17 anos como prostituta no parque da Luz, no centro de São Paulo. Foto: Carolina Garcia/iG São PauloJane na região da Estação da Luz onde trabalha todos os dias. . Foto: Carolina Garcia/iG São PauloIvone diz não aceitar qualquer cliente que aparece. "Sou nojenta mesmo", disse ao iG. Foto: Carolina Garcia/iG São PauloSempre sorrindo, Jane chegou a posar para as fotos. . Foto: Carolina Garcia/iG São PauloO sonho de Ivone é conseguir R$ 26 mil para quitar suas dívidas e voltar ao exterior. Foto: Carolina Garcia/iG São PauloMulheres de todas as idades e biotipos podem ser encontradas no parque da Luz. Região é dividida com aposentados e excursões de escolas. Foto: Carolina Garcia/iG São PauloEstação da Luz, no centro de São Paulo. Foto: Carolina Garcia/iG São PauloRegião da Luz é um conhecido ponto de prostituição em São Paulo . Foto: Carolina Garcia/iG São Paulo

Agressões

“Não dá para esperar. Já ouve uma série de atos de violência no despejo: agressões sexuais, violência física, roubo de dinheiro, de móveis (da casa das prostitutas)”, exemplificou o assessor de Direitos Humanos da organização, Maurício Santoro.

Ele revelou ainda que no despejo, mulheres foram forçadas a fazer sexo oral nos policiais, prática classificada entre as novas formas de estupro e obrigadas a ficar “amontoadas” em um ônibus para serem levadas à delegacia. “Ou seja, não é só uma ação ilegal de despejo, há uma questão de poder sobre essas mulheres”, completou. Santoro esclarece que, mesmo sem regulamentação, a prostituição não é crime no país.

Apesar das denúncias, que motivaram protestos das prostitutas e de organizações da sociedade civil no fim do mês de maio e início de junho, a Secretaria de Estado de Segurança e a Corregedoria de Polícia Civil informaram que não receberam nenhum registro das violações.

No entanto, a Secretaria de Política para as Mulheres (SPM), que acompanha o caso, informou que encaminhou ofícios pedindo abertura das investigações. O Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro (MP-RJ), que poderia determinar investigação da conduta policial também foi acionado pela SPM, mas não respondeu à Agência Brasil.

Interdição

A Defensoria Pública do Rio de Janeiro, que acompanha as prostitutas, tenta reverter a decisão de lacrar quatro dos 11 andares do Edifício Nossa Senhora. “Se é por defeito estrutural tem que interditar os 11 andares”, disse a Coordenadora do Núcleo de Defesa da Mulher Vítima de Violência, Clara Prazeres, em relação à justificativa da polícia para esvaziar apenas os quatro andares onde as profissionais moravam.

“E mais, quando a Defesa Civil interdita um imóvel, as pessoas não são retiradas com força policial, não é assim”, criticou. Segundo a Secretaria de Segurança, somente quem estava com a documentação do imóvel no dia pode ficar.

Para a Anistia Internacional, a situação é grave porque envolve mulheres pobres, em situação de fragilidade e estigmatização por terem perdido suas economias, móveis e estarem sendo compelidas a trabalhar em locais “menos seguros”.

“Elas têm muito medo”, acrescentou a defensora pública Clara Prazeres, que solicitou a inclusão de Isabel em Programa de Proteção a Vítimas e Testemunhas Ameaçadas. A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República não confirmou a adesão.

* Nome fictício 

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas