Funcionários dos Correios entram em greve no Rio de Janeiro

Por Agência Brasil |

Texto

Sindicato reivindica melhores salários e diz buscar o fortalecimento da empresa. Paralisação será por tempo indeterminado

Agência Brasil

AE
Categoria programou nova assembleia para esta quinta-feira (12)

Os funcionários da Empresa de Correios e Telégrafos do Rio (ECT) decidiram em assembleia na noite desta quarta-feira (11) entrar em greve por tempo indeterminado. Os servidores, que têm data-base este mês, não aceitaram a proposta da empresa de aumento de 5,27%, abaixo da inflação anual, de 6,27%, medida pelo Índice de Preços do Consumidor Amplo (IPCA).

De acordo com o presidente do Sindicato das Empresas de Correios e Telégrafos do Rio (Sintect-RJ), Marcos Sant'Aguida, “Os 5,27% de aumento que os Correios apresentaram está bem abaixo da inflação. A inflação é direito, e nós queremos o aumento real do salário”, disse. “Na reunião (de terça-feira, dia 10), nós falamos que caso a empresa não apresentasse uma nova proposta, nós iríamos entrar em greve”, completou.

Leia também: Trabalhadores quebram e invadem prédio dos Correios em Brasília

O sindicalista disse ainda que além de reivindicar melhores salários, a categoria busca o fortalecimento da empresa. "Queremos que tenha uma entrega ampla em todo o território nacional, mais trabalhadores, mais infraestrutura de transporte e mais atendimento ao público. Nós colocamos 62 itens na reunião com os Correios”.

Em nota, os Correios informaram que estão em processo de negociação do acordo coletivo de trabalho com as entidades sindicais e continuam abertos ao diálogo, não havendo, portanto, justificativa para a paralisação. “A empresa ofereceu reajuste de 5,27% sobre os salários e benefícios. Este índice, somado à progressão anual concedida no ano passado, equivale ou ultrapassa os índices inflacionários do período, impedindo perdas aos trabalhadores”.

Ainda segundo os Correios, “estamos adotando uma série de ações preventivas para garantir a prestação de serviços à população em caso de paralisação parcial dos trabalhadores, como mutirão e contratação de pessoal para entrega de correspondência nos finais de semana para atender à população".

Leia mais notícias do Rio de Janeiro

Os grevistas estão concentrados no Centro de Tratamento de Encomendas, em Benfica, zona norte, setor responsável pela distribuição dos objetos postais. O lugar é estratégico, porque dali saí as principais encomendas do Rio, como o Sedex 10, que tem de ser entregue até as 10 horas da manhã diariamente.

Os sindicalistas estão formando piquete em Benfica a fim de impedir a saída dos veículos com malotes de encomenda para entregar nesta quinta-feira (12). A categoria já programou uma assembleia para hoje, às 10 horas.

    Leia tudo sobre: correiosgreveparalisaçãorio de janeiro
    Texto

    notícias relacionadas