Mais Médicos deve ampliar a cobertura da atenção básica da saúde no RJ

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Cobertura deve chegar a 200 mil pessoas nos municípios atendidos pelos 60 profissionais formados no Brasil

Agência Brasil

O Programa Mais Médicos no estado do Rio deve ampliar em até 200 mil pessoas a cobertura da atenção básica nos municípios atendidos pelos 60 profissionais formados no Brasil que começaram hoje (2) a atuar nas unidades de saúde. A estimativa é do secretário de Gestão do Trabalho e na Educação na Saúde, Mozart Sales, que explicou que cada médico cobrirá entre 3 mil e 4 mil pessoas nos programas de saúde da família.

Leia também: Mais Médicos seleciona apenas 6% da demanda total de profissionais no País

Ao todo, 13 municípios serão atendidos pelos 60 médicos formados no país. Mais dez, formados no exterior, vão começar a trabalhar no dia 16, se forem aprovados na avaliação de português e conhecimentos sobre o sistema de saúde brasileiro, para a qual estão se preparando desde a semana passada em cursos de acolhimento em oito capitais brasileiras.

Todos os 14 municípios do estado que receberão os médicos brasileiros e estrangeiros ficam na região metropolitana, concentração que resultou da própria escolha dos médicos, que podiam apontar seis opções de cidades quando se inscreveram no programa. Mozart Sales explica que as vagas do interior poderão ser preenchidas pelos médicos cubanos se a segunda etapa de inscrições, encerrada na sexta não preenchê-las. Um novo balanço deve ser divulgado até amanhã.

Mais: 
"Me sinto totalmente preparado", diz médico brasileiro vindo da Argentina
Primeiros profissionais estrangeiros do Mais Médicos chegam ao Brasil

"Só poderemos saber disso após a finalização de chamadas individuais dos brasileiros e estrangeiros que vieram de maneira individual. O que sabemos é que temos um número de vagas muito expressivo, muito grande, e consequentemente não será atendido nessa segunda leva".

O secretário defendeu que a falta de médicos é um dos maiores gargalos na saúde do país e disse que o governo está tomando medidas de curto, médio e longo prazo para equilibrar a oferta de profissionais. "As de curto prazo são a política do Mais Médicos, com a possibilidade de convocar a força de trabalho para começar a atuar rapidamente. Em relação ao médio prazo, temos a ampliação das vagas de residência, pois são 17 mil médicos formados por ano para 12 mil vagas, em ciclos de dois anos. São medidas que até 2018 surtirão efeito na ampliação da formação de especialistas. E de mais longo prazo, num ciclo de seis a oito anos, é o aumento de vagas nas graduações de medicina".

Na cidade do Rio de Janeiro, onde foi feita uma cerimônia para acolher a chegada de um médico à Clínica da Família Nildo Aguiar, na zona oeste, o secretário municipal de Saúde, Hans Dohmann, explicou que os médicos serão enviados a duas áreas da capital em que há maior dificuldade de atrair e reter profissionais, nos arredores dos bairros de Realengo, na zona oeste, e Madureira, na zona norte. Morador da Barra da Tijuca, o médico generalista Rafael Dutra, de 27 anos, foi o inscrito designado para a clínica e demonstrou otimismo.

"No momento em que estou da minha carreira, acho que será uma boa experiência ter mais contato com a população e poder ajudar", disse o médico, que se formou há dois anos, não fez residência e vê agora a saúde da família como uma possibilidade de especialização.

Leia tudo sobre: mais médicosbrasilrio de janeiro

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas