Operação prende PMs acusados de pertencer a máfia de caça-níqueis no Rio

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Operação prendeu pelo menos 19 pessoas nesta quarta-feira no Rio de Janeiro. Seis deles são policiais militares

Agência Estado

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP RJ) e a Polícia Militar deflagraram, na manhã desta quarta-feira (21) a Operação Perigo Selvagem, para cumprir mandados de prisão preventiva contra 26 pessoas, entre elas policiais militares, envolvidas em um esquema de exploração de máquinas caça-níqueis.

O Dia: Operação caça envolvidos em exploração de caça-níqueis na zona oeste

Alessandro Costa / Agência O Dia
Marcos Gonçalves Pinto, um dos envolvidos no esquema, foi preso em Realengo

As denúncias são relativas a crimes de formação de quadrilha armada e corrupção ativa e passiva. A operação também visa cumprir 76 mandados de busca e apreensão. Até esta manhã, pelo menos 18 mandados de prisão haviam sido cumpridos contra seis PMs, quatro ex-PMs, sete civis e um agente penitenciário. Outro agente prisional (que não estava na lista de procurados) foi preso em flagrante.

De acordo com o MP RJ, os acusados atuavam em Bangu, Realengo, Marechal Hermes e Campo Grande, além de outros bairros da zona oeste do Rio de Janeiro. Ainda segundo a denúncia da Promotoria, a quadrilha utilizava como seu "quartel-general" as instalações da empresa Ivegê, em Bangu, que pertenceria ao contraventor Fernando Iggnácio. Ele é considerado pelo MP RJ como um dos "capos" do jogo do bicho no Rio.

Entre os denunciados estão um tenente-coronel e um capitão da PM, além de outros oito policiais militares, quatro ex-PMs e um agente penitenciário, todos acusados de fazer parte do esquema de segurança de Fernando Iggnácio.A Operação Perigo Selvagem conta com cerca de 400 homens do MP RJ e da Polícia Militar, com o apoio de cerca de 100 viaturas e dois helicópteros.

Um dos locais visitados nesta manhã foi a residência de Fernando Iggnácio, um apartamento num prédio de luxo na Avenida Prefeito Mendes de Moraes, na orla de São Conrado, um dos endereços mais caros do Rio. Com alicates, picaretas e marretas, cinco PMs do Batalhão de Choque entraram no edifício. Um helicóptero sobrevoa o local.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas