Justiça nega declarar morte presumida de Amarildo

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Pedreiro está desaparecido desde 14 de julho, após ter sido conduzido por policiais até a UPP da Rocinha

Agência Estado

A Justiça do Rio negou nesta terça-feira (20), pedido de parentes do ajudante de pedreiro Amarildo Dias de Souza, de 43 anos, para declarar a morte presumida dele. Amarildo está desaparecido desde 14 de julho, após ter sido conduzido por policiais militares de sua casa até a sede da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Favela da Rocinha, na zona sul do Rio.

Mais: Comissão de Direitos Humanos contesta relatório da polícia sobre caso Amarildo

O objetivo da família, que enfrenta dificuldades financeiras, era requerer uma pensão ao Estado. Na sentença, o juiz Luiz Henrique Oliveira Marques, da Vara de Registro Público, escreveu que "o desaparecimento teria ocorrido quando Amarildo se encontrava em poder de agentes do Estado, o que, por si só, não geraria perigo de vida".

"Não foi noticiado qualquer confronto armado, perigo real que justifique a declaração de morte presumida do mesmo." O advogado João Tancredo, que representa a família, disse que recorrerá da sentença.

Leia tudo sobre: amarildoupp da rocinhario de janeiro

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas