Protesto na Alerj cobra solução para sumiço de Amarildo

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Grupo colocou na sede da Alerj, dois manequins sujos de tinta vermelha, simbolizando sangue

Agência Estado

A ONG Rio de Paz realizou nesta terça-feira (13), um ato para cobrar uma solução para o sumiço, há quase um mês, do pedreiro Amarildo Dias de Souza, de 43 anos. O protesto ocorreu em frente à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), antes de uma audiência pública promovida pela Comissão de Direitos Humanos da Casa para discutir os casos de desaparecimentos não esclarecidos no Estado.

Leia também:
Anistia Internacional cobra das autoridades desfecho do caso Amarildo
Polícia investiga se corpo retirado da Rocinha é de Amarildo

O Dia
Grupo fez ato antes de audiência pública na sede da Alerj

O grupo colocou nas escadarias do Palácio Tiradentes, sede da Alerj, dois manequins sujos de tinta vermelha, simbolizando sangue. Um dos bonecos foi colocado em meio a pneus para representar um "micro-ondas", no qual vítimas têm o corpo incendiado. No Rio, a prática é comum em favelas dominadas pelo tráfico de drogas. Dezoito atores, também sujos de tinta vermelha, fizeram uma encenação no local.

Amarildo está desaparecido desde a noite de 14 de julho, quando foi conduzido por policiais militares de sua casa até à sede da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Favela da Rocinha, na zona sul do Rio.

Presidente do Rio de Paz, Antônio Carlos Costa destacou que o número de desaparecidos no Estado do Rio vem subindo ano a ano. "Há milhares de Amarildos por aí. Cerca de 35 mil pessoas sumiram de 2007 a 2013 no Estado. Queremos uma pesquisa para saber quantos desses desaparecidos foram assassinados. O Rio está repleto de locais de desova e cemitérios clandestinos. Os rios que deságuam na Baía de Guanabara estão repletos de cadáveres. O caso do Amarildo chamou a atenção para o fenômeno, que deveria causar indignação nas autoridades", afirmou Costa.

A esposa de Amarildo, Elizabete Gomes da Silva, participou da audiência pública, e disse ter certeza que o pedreiro está morto. "Não tenho mais esperança... Meu marido nunca saiu de casa. A última que ele disse antes de sumir foi: 'Bete, meus documentos estão com aquele policial'... e entrou na viatura da PM. Só queremos saber onde ele está."

Leia tudo sobre: rio de janeiroamarildoupp da rocinha

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas