Governo exonera comandante da PM do Rio

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Coronel Erir Ribeiro da Costa concedeu anistia a policiais militares que tinham recebido punições administrativas

Agência Brasil

O secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, exonerou hoje (5) o comandante-geral da Polícia Militar (PM), coronel Erir Ribeiro da Costa Filho, após divergências sobre documento interno publicado pelo comandante da corporação, concedendo anistia a policiais militares que tinham recebido punições administrativas.

Mulher de morador sumido da Rocinha: 'Tenho certeza que ele está morto'

UPP da Rocinha: DNA comprova que sangue em carro não é de Amarildo

A Secretaria de Segurança distribuiu nota sobre o encontro de hoje à tarde, que resultou na demissão do comandante da PM. "Após uma longa conversa na Secretaria de Segurança, o comandante-geral da Polícia Militar do Rio, coronel Erir Ribeiro Costa Filho, foi exonerado do cargo pelo secretário de Estado de Segurança, José Mariano Beltrame." O secretário está avaliando um nome para suceder o coronel Erir Costa Filho no comando da corporação.

"Mudanças fazem parte do processo de gestão e devem ser vistas com naturalidade", disse Beltrame, que destacou o empenho do coronel Costa Filho no período de um um ano e dez meses à frente da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. "Quero ressaltar o trabalho e a integridade do comandante Costa Filho, além de seu amor à corporação que comandou", destacou o secretário.

Publicado quinta-feira (1º), o ato administrativo anistiou 325 policiais militares punidos por ações de menor potencial ofensivo, no período de 4 de outubro de 2011 – quando Ribeiro assumiu o cargo – até agora, desagradou a Beltrame, que já tinha questionado a decisão. "Da forma como foi colocado, eu não gostei. Precisamos entender e a sociedade mais ainda", disse o secretário.

Estefan Radovicz / Agência O Dia
O secretário de segurança pública, José Mariano Beltrame

Em nota, a PM explicou que a revogação das punições beneficiava "apenas policiais punidos administrativamente, como em casos de atraso, faltas ou ausências não justificadas". De acordo com a PM, episódios mais graves, como os de de corrupção ou de homicídio, continuam sendo analisados pelo Conselho de Disciplina.

A corporação explicou que a dispensa do cumprimento da prisão ou da detenção refere-se ao fato de a PM ter cumprido escala de serviços extenuantes nos últimos dois meses. "Durante a Copa das Confederações, a Jornada Mundial da Juventude e as recentes manifestações, os policiais trabalharam em escala de um dia de trabalho com uma folga."

A Secretaria de Segurança informou que o próximo comandante-geral da corporação decidirá se a medida será revogada.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas