Policiais militares prestam depoimento sobre caso Amarildo

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Pedreiro sumiu no dia 14 de julho, após ser levado por policiais militares para UPP para prestar esclarecimentos

Agência Brasil

Nove policiais militares lotados na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha estão prestando depoimento na sede da Divisão de Homicídios, na Barra da Tijuca. Os PMs chegaram por volta das 10h30, em uma van da UPP, e não conversaram com a imprensa. O delegado Rivaldo Barbosa, encarregado de esclarecer o desaparecimento do pedreiro Amarildo de Souza, disse que não há prazo para o término dos depoimentos.

Mulher de morador sumido da Rocinha: 'Tenho certeza que ele está morto'

UPP da Rocinha: DNA comprova que sangue em carro não é de Amarildo

Gabriela Bilo/Futura Press
Manifestantes fazem ato contra o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, em São Paulo

Uma das principais questões envolve o depoimento do PM Juliano da Silva Guimarães, lotado na UPP. Ele disse que um tio, motorista de um caminhão de lixo na comunidade, levou um corpo para o depósito localizado no bairro do Caju. O delegado Rivaldo deixou a delegacia por volta das 15h30 e não quis gravar entrevista, dizendo que voltaria em seguida. Limitou-se a dizer, que “o caso do gari foi resolvido ontem”, sem explicar o que isso poderia significar.

Amarildo sumiu no dia 14 de julho, após ser levado por policiais militares para a UPP, a fim de prestar esclarecimentos. O comandante da unidade, major Edson dos Santos, garantiu que o pedreiro deixou a base caminhando e depois não foi mais visto. O sumiço do pedreiro ganhou notoriedade depois de virar tema das manifestações de rua, no Rio e em outras capitais, com a frase "Cadê Amarildo?" estampada em faixas e cartazes.

Leia tudo sobre: upp da rocinhauppamarildomorador sumidorio de janeiro

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas