Polícia investiga se corpo retirado da Rocinha pode ser de Amarildo

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Policial de UPP da Rocinha relata que tio foi obrigado a transportar um corpo 14 dias depois da morte de pedreiro

Agência Estado

O delegado Rivaldo Barbosa, titular da Divisão de Homicídios, vai intimar um policial militar que tem informações sobre a retirada da Rocinha de um corpo que poderia ser do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza, desaparecido desde 14 de julho.

Caso Amarildo: Após denúncia, PM vai prestar depoimento na próxima semana

Gabriela Bilo/Futura Press
Manifestantes fazem ato contra o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e lembram do caso Amarildo (01/08)

Mulher de morador sumido da Rocinha: 'Tenho certeza que ele está morto'

O policial, lotado na Unidade de Polícia Pacificadora local, contou que o tio dele, motorista de caminhão da Companhia de Limpeza Urbana (Comlurb), empresa da prefeitura carioca, foi obrigado a transportar o cadáver de um homem.

Segundo o relato, homens armados saíram da mata, renderam o motorista e ordenaram que seguisse direto para o depósito final, no Caju, sem fazer outras paradas. O episódio ocorreu no dia 28 de julho, 14 dias depois da morte do pedreiro.

UPP da Rocinha: DNA comprova que sangue em carro não é de Amarildo

No sábado (3), o delegado Rivaldo Barbosa fez nova perícia complementar na UPP da Rocinha - a segunda em dias consecutivos. Barbosa disse que a medida faz parte de uma estratégia de aproximação dos moradores da favela.

O ajudante de pedreiro desapareceu depois de supostamente confundido com um traficante e levado por policiais da UPP. Na delegacia, o engano foi desfeito, e Amarildo liberado. Ele não foi mais visto.

Dia 20: Policiais suspeitos de sumir com morador da Rocinha são afastados

Cabral sobre protestos no Rio de Janeiro: 'Eu cometi erros de diálogo'

O sumiço do ajudante de pedreiro motivou protestos. Inicialmente, apenas moradores da Rocinha fizeram uma passeata. Logo, cartazes com a pergunta "Cadê Amarildo?" começaram a surgir em manifestações contra o governador Sérgio Cabral Filho (PMDB). Na semana passada, o desaparecimento de Amarildo foi tema de passeata em São Paulo.

A ministra Maria do Rosário, da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, afirmou que a primeira suspeita que se deve ter é a de "responsabilidade pública" pelo desaparecimento de Amarildo. Os policiais militares que prenderam o ajudante de pedreiro foram afastados do serviço externo, mas continuam a trabalhar na corporação.

Leia tudo sobre: upp rocinharocinhaamarildomorador sumido

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas