Comando da PM do Rio cancela punições administrativas

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Medida é adotada apesar de críticas por repressão a protestos e suspeita de relação com sumiço de pedreiro

Agência Estado

Divulgação
PM é vista durante treinamento (foto de arquivo)

Mesmo sob críticas pela atuação ao reprimir protestos nas ruas e sob suspeita de ter responsabilidade no desaparecimento do pedreiro Amarildo de Souza, de 43 anos, a Polícia Militar do Rio de Janeiro decidiu cancelar todas as punições administrativas aplicadas aos policiais desde o início da gestão do atual comandante, o coronel Erir da Costa Filho, em outubro de 2011.

Mulher de morador sumido da Rocinha: 'Tenho certeza que ele está morto'

UPP da Rocinha: DNA comprova que sangue em carro não é de Amarildo

Os policiais que estão detidos nos quartéis poderão voltar ao trabalho regular nas ruas, segundo informou o boletim interno divulgado aos oficiais na quinta-feira. A PM não informou quantos policiais foram beneficiados nem quando o benefício começou a vigorar.

No boletim, o comandante da PM elogia "o alto grau de profissionalismo" dos policiais "nas manifestações populares pacíficas e nos protestos ilegítimos e violentos" e também durante os grandes eventos realizados recentemente no Rio (a Copa das Confederações e a Jornada Mundial da Juventude).

Cabral sobre protestos no Rio de Janeiro: 'Eu cometi erros de diálogo'

Em nota, a PM informou que "a dispensa do cumprimento da prisão (...) se refere ao fato de a Polícia Militar ter cumprido escalas de serviço mais extenuantes nos últimos dois meses" e que os casos "mais graves" continuam "sob Conselho de Disciplina". "A medida se refere a casos de menor potencial ofensivo", conclui nota da corporação.

Leia tudo sobre: upp da rocinhario de janeirorocinhamorador sumido

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas