Francisco se despediu dos voluntários que trabalharam na Jornada em encontro no Riocentro, na Barra da Tijuca

Agência Estado

Com uma defesa do casamento tradicional, da família e do sacerdócio, o papa Francisco se despediu na tarde deste domingo (28) dos voluntários que trabalharam na Jornada Mundial da Juventude 2013, em encontro no Riocentro, na Barra da Tijuca, zona oeste da capital fluminense.

Saiba tudo sobre a Jornada Mundial da Juventude
"Jovens são os protagonistas da mudança", diz papa para 3 milhões

Veja abaixo as imagens do último dia do papa no Rio de Janeiro:

Em discurso focado em temas comportamentais e não políticos e sociais, diferentemente de outros de seus pronunciamentos na JMJ, o pontífice incentivou os jovens a "ir contra a corrente" e a serem "revolucionários" em suas vidas.

Curiosamente, o líder da Igreja Católica pediu que os jovens se "rebelem" com o objetivo de adotar um comportamento mais conservador, em vez de fugir aos compromissos e aproveitar o prazer do provisório - uma referência ao sexo sem matrimônio.

"Há quem diga que hoje o casamento está fora de moda; na cultura do provisório, do relativo, muitos pregam que o importante é 'curtir' o momento, que não vale a pena comprometer-se por toda a vida, fazer escolhas definitivas, para sempre, uma vez que não se sabe o que reserva o amanhã", disse Francisco, mais uma vez recorrendo à linguagem coloquial.

Papa Francisco participa de encontro com voluntários da Jornada Mundial da Juventude, neste domingo, no Riocentro, no Rio de Janeiro
Ale Silva/Futura Press
Papa Francisco participa de encontro com voluntários da Jornada Mundial da Juventude, neste domingo, no Riocentro, no Rio de Janeiro

"Em vista disso eu peço que vocês sejam revolucionários, que vão contra a corrente; sim, nisto peço que se rebelem: que se rebelem contra esta cultura do provisório que, no fundo, crê que vocês não são capazes de assumir responsabilidades, que não são capazes de amar de verdade."

Aplaudido com entusiasmo, o papa chegou a perguntar: O casamento está fora de moda? "Não!", respondeu a plateia.

No sábado, aconteceu na zona sul do Rio a "Marcha das Vadias", pedindo liberdade sexual, defendendo o uso da camisinha e criticando a Igreja Católica. No ato, para horror de peregrinos, ativistas colocaram um preservativo em uma imagem da Virgem Maria e depois a quebraram, além de pisotear cruzes. Cerca de 10 mil a 12 mil voluntários, segundo a Força Nacional de Segurança, se aglomeraram no Riocentro para se despedir do pontífice, em um encontro em clima de festa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.