Católicos de Varginha reclamam de vigília evangélica durante festa do papa

Por iG Rio de Janeiro , por Élcio Braga | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Fiéis da Igreja Evangélica Monte Sião participaram de uma vigília na véspera e durante o dia da chegada do papa

Nem todo mundo recebeu o Papa Francisco de braços abertos nesta quinta-feira pela manhã na Comunidade da Varginha, em Manguinhos, na zona norte do Rio. Fiéis da Igreja Evangélica Monte Sião participaram de uma vigília às vésperas da chegada do Santo Padre. O templo fica exatamente em frente ao campo de futebol, onde Francisco discursou para os católicos. Foram em vão os apelos para que o culto terminasse.

Leia também:
“Papa trouxe bênção e asfalto para Varginha”, diz moradora da favela
"Sempre colocam mais água no feijão", diz papa sobre solidariedade brasileira

Policiais estiveram no templo para convencer os pastores a interromper a vigília. Três agentes entraram na igreja e demoraram a sair. “Os policiais que entraram devem ter aceitado Jesus e se juntaram aos evangélicos”, provocou uma moradora, sem se identificar.

Quando o papa chegou à Varginha, o volume do som foi reduzido. Mas cânticos e louvores permaneceram mesmo durante o discurso papal. “Tem gente que não conseguiu dormir. O som estava alto demais”, lamentou o marítimo Alexandre Pereira, 42 anos, hospedado na casa de amigos, bem em frente ao culto evangélico.

Católico, Alexandre acredita que a vigília havia sido convocada só para os fiéis da denominação não terem como ver o papa. “Peço ao papa que os abençoe também”, observou o peregrino, defendendo a união de todas as religiões.

A reportagem do iG tentou ouvir uma representante da Monte Sião, mas ela alegou não ter tempo para falar. Obreiros que cuidavam do portão de acesso ao templo não permitiam a entrada de quem não fosse membro. Eles não quiseram comentar se a vigília seria uma resposta à visita do Papa Francisco. O templo fica na rua Carlos Chagas, a principal da comunidade, por onde o papa iniciou a visita.

Saiba mais sobre a Jornada Mundial da Juventude

A aposentada Arilda Cruz, 71 anos, reclamou da vigília evangélica durante a recepção ao papa. “Se a festa fosse dos evangélicos, duvido que os católicos fariam isso. Mas não são todos os crentes que agem assim”, ponderou.

Leia tudo sobre: jmjpapapapa franciscojmj 2013jornada mundial da juventudevarginha

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas