Liarde Cassiano Reis, de 32 anos, conheceu Francisco durante cerimônia em hospital na Tijuca

A quarta-feira (24) foi dia de brinde para Liarde Cassiano Reis, de 32 anos. Após um ano e três meses longe das drogas, o rapaz foi o escolhido para participar com um discurso da cerimônia que contou com a presença do papa Francisco no Hospital São Francisco de Assis, no Rio de Janeiro.

Tempo ruim: Capa de chuva vira traje obrigatório em evento no hospital no Rio
Papa em hospital:
"Não deixem que os roubem a esperança", diz aos jovens

Ainda não acreditando no que tinha presenciado minutos atrás, Liarde conversou com a reportagem do iG e frisou a importância deste papa para a causa dos dependentes químicos.

Papa
Vivian Fernandez
Papa

“Assim como São Francisco de Assis abraçou um leproso, o papa Francisco e essa instituição estão abraçando a causa por um mundo sem drogas. Ele reforça isso em todos os discursos que faz. É um problema de calamidade pública e eu sei porque vivi nesse meio. O governo aperta muito na tecla do crack, mas esquece que o álcool é a droga mais vendida no mundo e é a que mais mata. Hoje, o álcool desestrutura famílias no mundo inteiro”, disse.

Liarde teve o primeiro contato com maconha aos 15 anos. Seu pai era alcoólatra e o exemplo em casa o deixou longe do álcool até os 20 anos. “Depois disso, experimentei várias outras coisas, como crack, cocaína, ecstasy, tudo que você pensar... No final, o que me tombou de verdade foi o álcool. Eu não tinha mais dinheiro para sustentar o vício em outra droga. A bebida alcoólica você consegue por dois, três reais”, apontou Liarde.

Saiba mais sobre a Jornada Mundial da Juventude

Dono do próprio nariz e do próprio dinheiro, o rapaz contou que se iludiu com prazeres “do mundo” e perdeu o rumo. “Aos poucos, eu fui acabando com tudo. E tenho um primo que sempre falava que queria me ajudar e eu nunca aceitava. Cheguei a um ponto em que estava arrebentado, e decidi que eu queria me suicidar. Fiquei internado três dias e depois desta tentativa disse que iria parar. Dois dias depois fiz novo consumo de drogas e álcool. Eu estava pronto para me matar, mas esse primo me encontrou. Ele praticamente me amarrou e disse que iria cuidar de mim”, relembrou com emoção.

Liarde chegou ao lar dos franciscanos pesando apenas 51kg. “Eu sai de lá com 68kg e hoje estou com 75,5kg”, conta, orgulhoso. A escolha para representar a instituição ao vivo para o papa, que inaugurou um novo centro para dependentes no local , chegou de surpresa. A ficha, segundo Liarde, só caiu quando ele chegou ao São Francisco de Assis e viu os preparativos do evento.

“Eu creio que a recuperação é possível. Eu sou a prova disso, e não é sendo auto-suficiente. Tudo o que eu aprendi na casa de recuperação eu tento colocar em prática do lado de fora. E os pilares que eles ensinam (família, religião, grupo de apoio e o trabalho) andam juntos”, disse.

Hoje, Liarde é vice-coordenador de uma pastoral da sobriedade, que faz parte da Fraternidade São Francisco, está casado e é pai de um menino de quatro anos: “Depois que aprendi a gostar de mim de novo, tive de reconquistar as outras partes da minha vida, como meu filho e esposa. Atualmente nós moramos juntos e eu estou sóbrio há um ano e três meses. Só por hoje eu estou limpo”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.