Grupo de jovens protestou em frente à 9ª DP após a prisão de sete integrantes da mídia Ninja

Cerca de mil jovens se concentraram na noite desta segunda-feira (22) na porta da 9ª DP (Catete) para pedir a libertação de sete integrantes da mídia Ninja (Narrativas Independentes, Jornalismo e Ação) . O grupo foi preso nas imediações do Palácio Guanabara, em Laranjeiras, onde houve o encontro do papa Francisco com autoridades durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) .

Saiba tudo sobre a Jornada Mundial da Juventude

Leia também: Jornalistas de grupo independente são presos no Rio de Janeiro durante protesto
No 1º dia, papa quebra protocolo, fica preso no trânsito e fala em português
“Sou fruto de milagre e vim aqui para agradecer”, se emociona fiel ao ver o papa

Protesto durante visita do papa Francisco teve dois presos
RICARDO MORAES/REUTERS/Newscom
Protesto durante visita do papa Francisco teve dois presos


Manifestantes gritavam frases como “ Olha eu aqui de novo”, “Atenção Comandante, aproveite esse Papa para pedir o seu perdão’’, “Não adianta me reprimir, esse governo vai cair’’, “Fora Cabral”, “Choque Covarde não tem identidade’’ e ‘’Tem que acabar contra a Polícia Militar’’, esperando um posicionamento, afirmando que a prisão era arbitrária e que existe uma ditadura velada no Brasil. Apesar de não haver mais confronto naquele momento, o clima era pesado. Mais de 40 homens do Batalhão de Choque cercavam o prédio da delegacia, de onde alguns policiais civis filmavam o movimento na rua.

O chef de cozinha Vinicius Cerele, 28 anos, afirma que o Papa não tem nada a ver com isso. “Eu quero muita coisa com essas manifestações. Quero tirar o Cabral, mas não tem quem colocar no lugar dele. Tem que mudar muita coisa como educação, saúde e segurança’’, diz.

Veja mais: Manifestantes são presos após confronto em frente ao Palácio Guanabara
Mulheres tiram a roupa em protesto durante a visita do papa no Rio de Janeiro
'Padre da nossa paróquia sonhou que o papa iria beijar o Miguel', diz mãe

O estudante de Psicologia Gustavo Santos, da mesma idade, faz coro. “Não temos nada contra o Papa, mas com os gastos realizados com a vinda dele. O país é laico. Como pode um café da manhã simples, como ele pediu, custar R$ 850 mil aos cofres públicos? Tiram dinheiro da gente de tudo quanto é forma e ninguém sabe explicar para onde foi’’, reclamou, indignado também com a dura que policiais militares deram em alguns rapazes negros. Um mais exaltado bradou: “Não existe branco puro. Todo mundo tem sangue de negro nessa p...’’.

Os ânimos foram se acalmando depois que dois dos detidos foram liberados. Os manifestantes pretendem abandonar o local somente quando houver a liberação de todo o grupo. 

Veja imagens do primeiro dia de visita do papa:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.