Peregrinos de todo o mundo participaram da celebração e missa realizada pelo arcebispo Dom Orani Tempesta

A chuva fina e a temperatura baixa não desanimaram os fiéis em participar da missa de abertura da Jornada Mundial da Juventude, nesta terça-feira (23), na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. O clima de alegria e fé tomou conta da festa na orla mais conhecida do Brasil. Segundo a organização, entre 500 mil e 600 mil pessoas festejaram e cantaram em todas as línguas. O papa Francisco não participou da celebração.

Especial: Saiba tudo sobre a Jornada Mundial da Juventude

Assista ao vídeo:

(Videoreportagem: Elcio Braga)

No 1º dia, papa quebra protocolo, fica preso no trânsito e fala em português

No 2º dia, Francisco reza missa, toma sorvete e come pão de queijo

Durante a noite, a temperatura era de 18° e o chuvisco não parava. Mas, para quem veio de longe para participar da Jornada, a chuva era abençoada. “Nada vai estragar nossa festa. Essa água é benta. O bom é que no frio as pessoas ficam mais unidas”, afirmou Karla Correia, de São Paulo.

Capas de chuva, agasalhos e bandeiras improvisadas foram usadas para proteger do frio. “Essa é a juventude, papa” é a frase que mais se escutava entre os jovens. Franceses, peruanos, americanos, argentinos, chilenos, indianos e muitos brasileiros lotaram a orla e eram facilmente identificáveis pelas bandeiras que carregavam.

No calçadão, teve até forró em homenagem ao papa. Representando a cultura do Ceará, o grupo “Filhos de Francisco” animou os fiéis antes da missa. O refrão dizia: “O papa Francisco de Deus, grande graça. O povo te abraça, e em ti vê Jesus”.


Direto de Pernambuco, veio Elvis Lennon, depois de 36 horas de viagem. “Nem acredito que estou aqui. Estamos fazendo uma renovação da fé. Já visitamos a Catedral, amanhã vamos ao Cristo Redentor. Na segunda-feira, depois da Jornada vamos à Nossa Senhora da Aparecida para fechar esse ciclo e revigorar a confiança em Deus”, contou Elvis, que mora em Petrolina.

Organização e planejamento permitiram que um grupo de Porto Alegre participasse da Jornada. Há mais de um ano, 135 jovens da comunidade Jave Nissi programavam essa viagem. “Nem todo mundo tinha condições de vir. Então, nós fizemos rifa, bingo e eventos na paróquia para que ninguém ficasse de fora. Eu mesmo não estaria aqui se não fosse a caixinha de reserva que fizemos”, revelou Alberto Kanatani.

Leia também: Manifestantes prometem mais protestos durante a JMJ

Fiéis acompanham a abertura da Jornada Mundial da Juventude, na praia da Copacabana, nesta terça-feira (23)
AP
Fiéis acompanham a abertura da Jornada Mundial da Juventude, na praia da Copacabana, nesta terça-feira (23)

Das varandas, moradores de Copacabana também assistiam à missa e aproveitaram o momento especial. Os símbolos da Jornada marcaram o inicio da cerimônia. Orações como o “Pai Nosso” e “Ave-Maria” foram rezados em várias línguas. “O entusiasmo juvenil por todos os cantos demonstra o rosto do jovem cristão, que procura unir o testemunho de uma vida autenticamente cristã com as consequências sociais do Evangelho”, disse Dom Orani João Tempesta durante a homilia.

No final da missa, o presidente do Conselho Pontifício para os Leigos, cardeal Stanislaw Rylko, responsável pela organização das Jornadas Mundiais da Juventude, disse aos presentes que eles têm pela frente “dias inesquecíveis, dias de importantes descobertas, dias de escolhas decisivas”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.