MTST divulgou a informação de que vai chegar a Aparecida em três ônibus para bloquear o trajeto do pontífice

Um centro de inteligência “que reúne as polícias estaduais, Forças Armadas e a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) está monitorando a movimentação de grupos que planejam protestar contra a visita do papa Francisco ao Santuário de Aparecida, no interior de São Paulo. A declaração é do delegado da Polícia Federal, Guilherme Castro de Almeida, coordenador regional de segurança para grandes eventos.

Saiba tudo sobre a Jornada Mundial da Juventude

Mais: Desfile do papa no Rio foi desastroso, diz prefeito de Aparecida

No 1º dia, papa quebra protocolo, fica preso no trânsito e fala em português

“Diante dos protestos em todo o Brasil, é possível que ocorra aqui. Todas as forças estão preparadas para agir da melhor forma possível”, afirmou o delegado. “Temos um centro de inteligência regional – que congrega a Abin, a Polícia Federal, policias estaduais e Exército – que monitora pessoas que organizem manifestação.”

O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) divulgou a informação de que organiza um protesto durante a visita do papa ao Santuário. Eles prometem chegar a Aparecida em três ônibus e bloquear um dos trechos por onde Francisco deverá passar. Depois da missa, o pontífice seguirá de papamóvel pela cidade até o Seminário Bom Jesus, onde almoçará com cardeais e abençoará uma imagem de Frei Galvão, o primeiro santo brasileiro.

O temor é que ocorra em Aparecida o mesmo que aconteceu ontem no Rio de Janeiro. Na ocasião, um grupo de mulheres ficou seminua e trocou beijos em frente a fiéis que aguardavam a chegada do pontífice no Rio de Janeiro.

O delegado negou, no entanto, a intenção prévia de coibir os manifestantes: “A liberdade de expressão é garantida. Havendo uma manifestação pacífica que não ofenda o papa moral e fisicamente, ela não será coibida.”

Segurança
Almeida comparou a segurança preparada em Aparecida com a proteção no Rio. “Em aparecida já foi estabelecida a colocação de grades na via pública. Eles minimizam a possibilidade de populares se aglomerarem em volta do carro do papa. A PM e o Exército ao longo do trajeto também vão minimizar qualquer aproximação.”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.