Até o momento, protesto segue sem violência pela rua Conde de Bonfim, acompanhado por policiais; entre manifestantes estava integrantes do PSOL

Agência Estado

Manifestantes deixaram há pouco a Praça Saenz Penã, na Tijuca, no Rio de Janeiro, em direção ao estádio do Maracanã. Até o momento, o protesto segue sem violência pela rua Conde de Bonfim, acompanhado por policiais. O movimento calcula que cerca de 4 mil pessoas estejam participando da manifestação.

Beltrame: Secretário de Segurança do Rio quer 'vândalos infiltrados' presos

Governador: 'Polícia fez o que achou mais viável para preservar a ordem', diz Cabral

Pessoas protestam neste domingo (30) na Praça Saens Peña na Tijuca, cidade do Rio de Janeiro
Futura Press
Pessoas protestam neste domingo (30) na Praça Saens Peña na Tijuca, cidade do Rio de Janeiro

Entre os manifestantes estão alguns políticos, como o deputado federal Chico Alencar e o vereador Eliomar Coelho, ambos do PSOL. Integrantes do partido, segundo eles, apoiam o movimento, mas, optaram em vir sem bandeiras.

Alencar lembrou que o PSOL foi contra a Lei Geral da Copa e o regime diferenciado de contratação. "Queremos que a memória dessa juventude seja ativada para que não ache que todos os políticos são ladrões. É preciso separar o joio do trigo", disse.

O integrante do Comitê Popular da Copa, Renato Cosentino, espera não encontrar barreiras policiais no caminho até o Maracanã.

"Temos o direito constitucional de nos manifestarmos e chegar até o estádio. Não faz sentido um jogo com 70 mil torcedores levar 11 mil policiais às ruas. Isso mostra que os eventos organizados pela Fifa e outras organizações privadas não são feitos em benefício público", reclamou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.