Papa Francisco quer revisão de tudo na Igreja Católica, diz Dom Geraldo Majella

Por Renan Truffi - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Em entrevista, cardeal brasileiro conta o que espera da visita do papa ao País na Jornada Mundial da Juventude

Veterano de conclaves, o arcebispo emérito de Salvador, Dom Geraldo Majella, foi um dos cinco cardeais brasileiros que participou da escolha de Jorge Mario Bergoglio para papa da Igreja Católica. Em breve, eles devem voltar a se encontrar durante a Jornada Mundial da Juventude, evento marcado entre 23 e 28 de julho no Rio de Janeiro, quando o papa Francisco desembarca no País. Em entrevista ao iG, Dom Geraldo conta o que espera da visita e do encontro com os jovens brasileiros.

Saiba tudo sobre a Jornada Mundial da Juventude 2013

“Ele tem um modo muito especial de manter um diálogo. Ele está preocupado com a situação do mundo e com a situação da juventude (...) porque, realmente, estamos em um mundo de muita violência. Ele sabe mostrar essa visão do mundo. E pode dar, quem sabe, alguma sugestão que realmente abra um novo caminho para acompanhar esse mundo como ele está. Em nome da sua fé, ele pode dar uma palavra a esta situação”, opina.

Leia também:
Encontro jesuíta terá 1,6 mil peregrinos antes da JMJ
Veja como é feita a hóstia da Jornada Mundial da Juventude

O arcebispo diz que vê com "bons olhos" as medidas tomadas pelo papa em pouco mais de mais três meses à frente da Igreja, como, por exemplo, a criação de uma comissão para fiscalizar o Banco do Vaticano. “Ele quer uma revisão de tudo. O banco está instituído desde 1942. Então, ele está querendo uma revisão. É por ai mesmo que se deve ir. Faz parte da própria razão de ser da Igreja. A Igreja também precisa dos meios. Isso sempre foi usado desde o tempo dos apóstolos. .

Leia abaixo a entrevista:

iG - Como o senhor avalia a visita do papa Francisco ao Brasil durante a Jornada Mundial da Juventude?

Dom Geraldo Magella - É necessário esse encontro. Ele continua uma tradição de 20 e tantos anos que é este encontro com os jovens, do qual o papa participa. Ele quis continuar uma tradição do papa João Paulo 2º e do papa Bento 16. Ele faz isso não apenas por uma tradição, mas com muita convicção. É necessário esse encontro com a juventude. Tenho muita convicção de que possa servir em um momento de grande violência e possa transmitir também muita esperança.

Divulgação/Arquidiocese de Salvador
Arcebispo acredita que papa não tem receio de vir ao Brasil por causa dos protestos

iG - Qual a diferença entre o papa Francisco e os anteriores? O que o senhor acha que a visita deste papa terá diferente?

Dom Geraldo Magella - Nós podemos ter vários pontos em evidência. Terá aquilo o que é comum com outros papas, como também tem sua originalidade. Isso é bom porque ele tem um modo muito especial de manter um diálogo. Ele está preocupado com a situação do mundo, não só com a situação da juventude. A juventude recente da situação do mundo em que vivemos. Ele sabe mostrar essa visão do mundo. E pode dar, quem sabe, alguma sugestão que realmente abra um novo caminho para acompanhar esse mundo como ele está. Em nome da sua fé, ele pode dar uma palavra a esta situação porque, realmente, estamos em um mundo de muita violência, muita falta de aceitação do outro. São tantas mortes. Tudo isso faz mal não só para os jovens, mas para todo mundo. Mas a juventude sofre mais com seu ideal de ter um mundo de paz.

iG - Como o senhor acha que o papa Francisco enxerga os protestos que acontecem no Brasil, já que boa parte dos manifestantes é o próprio jovem?

Dom Geraldo Magella - Naturalmente ele vai ter encontro com a juventude na jornada. Ele responderá à juventude. Não é que ele vai tomar a iniciativa de falar sobre certos pontos, mas ele não vai só falar. Ele vai ter encontros para também ouvir os jovens, que farão perguntas. E ele vai responder, não vai fugir do que julgar que é para o bem.

Mais: Ordem do papa, jesuítas são conhecidos pelo desapego

iG - O senhor teme que os protestos possam atrapalhar a visita do papa ou até mesmo a Jornada?

Dom Geraldo Magella - Não acredito que vá atrapalhar a vinda dele. Ele não tem receio de vir. A não ser que tivesse aqui alguma revolução que fosse incontrolável. Ele vem tranquilamente, com muita fé. E que faça alguma coisa em nome do próprio Cristo que representa. 

iG - Como o senhor avalia as manifestações no País?

Dom Geraldo Magella - É a possibilidade dos próprios jovens estarem vendo o que é necessário para o País diante da situação geral. A juventude, como tal, tem cabeça boa para pensar. E, do outro lado, sempre existem os aproveitadores para querer tumultuar. Infelizmente, há pessoas que estão interessadas em criar o caos. A gente vê que algumas medidas estão sendo tomadas, estão repercutindo o que a juventude mesmo colocou em evidência. Mas é preciso ter cuidado. A juventude que esta à frente tem de ter cuidado para não se deixar levar pelos desordeiros, pelos que querem tumultuar. É necessário que eles não tomem partido, não aceitem participar de nenhum tumulto. Não deixem que o bem que desejam para o Brasil venha a ser tumultuado por essa visão violenta.

iG - Como o senhor avalia os primeiros meses do papa Francisco à frente da Igreja Católica?

Divulgação/Arquidiocese de Salvador
Cardeal foi um dos cinco brasileiros que participaram do último conclave

Dom Geraldo Magella - É impossível que ele chegue já falando tudo que ele tem para falar. Tudo o que ele percebeu porque é natural. Mas ele, pouco a pouco, já vai tomando medidas, vai mostrando algumas providências que ele deseja.

iG - Como, por exemplo, o anúncio de uma comissão para fiscalizar o Banco do Vaticano?

Dom Geraldo Magella - Ele quer uma revisão de tudo. O banco também está instituído desde 1942. Então, ele está querendo uma revisão. É por ai mesmo que se deve ir. Faz parte da própria razão de ser da igreja. A Igreja também precisa dos meios. Isso sempre foi usado na Igreja desde o tempo dos apóstolos. Tinha sempre que mostrar o lado dos bens deste mundo. O dinheiro é preciso desde os tempos de Jesus. Tinha até um apóstolo que cuidava dessa parte para que não faltasse o necessário para os próprios apóstolos. Sempre houve cuidados com os bens materiais para não sacrificar nem a Igreja nem a sua missão.

iG - O senhor já conversou com o papa Francisco desde que ele assumiu cargo? Como é a personalidade dele?

Dom Geraldo Magella - Falei ainda em Roma. Já nos conhecíamos. Eu tinha liberdade com ele. Falei rapidamente com aquela confiança mútua, sem colocar distância. Ele é muito simples. Mesmo no Vaticano, ele continua ocupando, por exemplo, o lugar onde nós estávamos nos tempos do conclave. Ele só vai ao Vaticano para receber autoridades, receber reuniões. O dia a dia dele é da maneira mais simples possível.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas