Suspeito de estuprar mulher em ônibus no Rio de Janeiro se entrega

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

O suspeito, que tem 16 anos, estava escondido na casa da mãe e entregou-se à 33ª Delegacia de Polícia após negociação com o padrasto do rapaz

Agência Estado

O suspeito de estuprar uma mulher dentro de um ônibus da linha 369 (Bangu-Carioca), na tarde da última sexta-feira, 3, no Rio de Janeiro, se apresentou, na manhã desta terça-feira (07), à polícia. O suspeito, que tem 16 anos, estava escondido na casa da mãe, em uma favela dominada pelo tráfico, e entregou-se à 33ª Delegacia de Polícia (Realengo). A rendição foi negociada com o padrasto do rapaz.

Leia também: Acusado de estupro em ônibus pode ter cometido outros crimes

Policiais da 17ª DP (São Cristóvão), responsáveis pelo caso, divulgaram, na segunda-feira, imagens da câmera de segurança do ônibus que mostram nitidamente o rosto do estuprador. O Disque-Denúncia (21-2253-1177) oferecia R$ 2 mil de recompensa por informações que levassem à captura do suspeito.

O criminoso entrou às 15h31 no ônibus, em um ponto na altura do Conjunto Habitacional do Fumacê, em Realengo, zona oeste. Passou pela roleta usando um RioCard (vale-transporte eletrônico) e, três minutos depois, sacou uma arma e anunciou o assalto.

Uma das vítimas ficou encarregada de recolher os pertences dos outros passageiros. O criminoso, então, pulou a roleta e disse ao motorista para não parar em nenhum ponto. Nesse momento, a câmera do ônibus filmou seu rosto. O rapaz voltou para os fundos do coletivo, escolheu uma passageira e a estuprou na frente de todos. O estuprador desceu do veículo já no fim da avenida Brasil, na zona portuária, nas imediações do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into).

O crime teve repercussão internacional. O site da rede britânica BBC destacou que o caso chocou o país, que se prepara para receber a Copa do Mundo de 2014. A reportagem era ilustrada com uma foto do Maracanã, recém-reformado para o torneio.

Outros casos
Esse não é o primeiro caso semelhante no Rio de Janeiro. Em 20 de abril, um homem armado invadiu uma clínica de depilação em Bonsucesso, na zona norte, e estuprou uma funcionária. Três dias antes, uma menina de 14 anos havia sido estuprada na praia do Leblon, zona sul. O crime ocorreu no final da praia, quase na avenida Niemeyer, via que liga o Leblon a São Conrado, passando pela favela do Vidigal. A vítima estava acompanhada de uma amiga. As duas voltavam para casa, no Vidigal, quando foram rendidas pelo estuprador, que estava armado.

Em 30 de março, uma turista americana de 21 anos foi estuprada por três homens durante seis horas numa van. A vítima estava acompanhada do namorado, um francês de 23 anos. Os dois pegaram a van em Copacabana, na zona sul, e seguiriam para a Lapa, bairro boêmio da região central da cidade. No meio do caminho, os criminosos obrigaram os outros passageiros a descer e seguiram com o casal para São Gonçalo, na Região Metropolitana. Enquanto a americana era estuprada, seu namorado foi espancado com uma barra de ferro.

Leia tudo sobre: estuprorio de janeiroestupro em ônibus

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas