Em feira de Defesa, krav maga ensina defesa pessoal a militares e policiais

Por Raphael Gomide iG Rio de Janeiro | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo mestre Kobi, introdutor da prática no Brasil, aluno leigo leva de 3 a 6 meses para ter noções básicas. Assista a vídeo com demonstração de resgate de refém, reação a ataque com faca e desarmamento de homem com granada

O israelense Kobi Liechtenstein chegou ao Rio em janeiro de 1990, aos 23 anos, vindo de Israel, onde aprendeu krav maga com o criador da arte. Desde então, “mestre Kobi” – como costuma ser chamado – tornou popular no Brasil a técnica de defesa pessoal e combate corpo a corpo usada pelo exército israelense. Introduziu a luta no País e é o presidente da Federação Brasileira de krav maga.

A revista da Federação Sul-Americana, que supervisiona a publicação, apresenta “Mestre Kobi”, como “8º Dan”, “introdutor e maior autoridade do krav maga da América Latina”. Hoje a técnica é ensinada em 89 lugares do Brasil, 13 Estados e no Distrito Federal.

Muitos clientes são de forças militares, de segurança pública ou privada, daí a presença na LAAD (Feira Internacional de Defesa e Segurança). Recentemente, a equipe de segurança do prefeito Eduardo Paes fez o Curso de Proteção de Autoridades. 

Segundo Kobi, “um leigo leva de três a seis meses para ter noções bem amplas de defesa pessoal.” O krav maga usa golpes intensos em pontos vitais para neutralizar o adversário. Para quem critica a luta como brutal e violenta, usando de "golpes baixos", ele tem uma resposta. "Eu chuto as partes baixas do oponente em vez de matá-lo com um golpe. Poderia matá-lo", diz.

Kobi conta que, há muitos anos, já reagiu a uma tentativa de assalto em que teve uma arma apontada contra sua cabeça, dentro de um ônibus. “Reagi, peguei a arma e os dois bandidos”, disse.

Mas o mestre não recomenda a reação a criminosos armados, para pessoas comuns. “A técnica para a reação é simples, o problema é a capacidade mental de cada um. É preciso dominar corpo e mente, não ficar nervoso. Nosso maior inimigo é a mente.”

Ele fez demonstrações da efetividade da luta como defesa pessoal, a pedido do iG.

Leia tudo sobre: Kobikrav magá

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas