Prefeitura do Rio suspende operações de combate ao crack na avenida Brasil

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Na semana passada, menino de 10 anos morreu atropelado ao tentar atravessar a avenida, fugindo de uma operação para acolher usuários de crack na região

Agência Brasil

As operações de acolhimento de dependentes químicos na avenida Brasil estão suspensas, segundo informou nesta sexta-feira (18) a Secretaria Municipal de Assistência Social do Rio (SMAS). Na semana passada, um menino de 10 anos morreu atropelado ao tentar atravessar a avenida, uma das mais movimentadas do Rio, fugindo de uma operação para acolher usuários de crack na região. De acordo com a nota da SMAS, as ações têm sido aprimoradas para garantir mais segurança às operações, assegurando o tratamento do dependente e não pôr em risco a sua vida.

O caso: Menino de 10 anos foge de agentes da PM e morre atropelado no Rio

Osvaldo Praddo / Agência O Dia
Menino teria tentado fugir de assistentes sociais e foi atropelado na av. Brasil, no Rio

O secretário de Assistência Social, Adílson Pires, informou que um plano municipal foi elaborado e levado ao Ministério da Saúde. Ele deverá ser anunciado nos próximos meses. Segundo o secretário, a medida vai complementar as ações da secretaria. O plano prevê serviços de atendimento 24 horas, incluindo ambulatorial no locais onde estão concentrados os dependentes químicos, além de centros de Atenção Psicossocial (CAPs) especializados no tratamento de dependentes químicos.

A internação compulsória de crianças e adolescentes dependentes químicos é questionada por organizações de defesa dos direitos humanos, a exemplo da coordenadora da Rede Rio Criança, Marcia Gatto, que reúne 14 organizações não governamentais. Segundo ela, a medida é um retrocesso diante da Política Nacional de Saúde Mental, que tem como meta acabar com os leitos para pacientes com transtornos mentais.

“ O tratamento tem que ter ligação com o Caps [Centro de Atenção Psicosscocial], que trabalha com redução de dano, não podemos desprezar isso. As pessoas da saúde mental são especialistas e isso faz parte de toda uma luta antimanicomial”, disse.

Mais: Usuário de crack é baleado em avenida na zona norte do Rio

Márcia lembra que jovens foram mantidos em condições degradantes em unidade de internação da rede municipal, que era gerida por um policial militar que responde à processo por 42 homicídios. Depois de denúncia da imprensa, o contrato foi suspenso. Além disso, denuncia que em boa parte das casas de internação, geridas por igrejas, jovens são submetidos a uma rotina diária de oração e tratamento, “por meio do trabalho”.

Desde o dia 31 de março de 2011, quando a SMAS deu início às operações conjuntas com órgãos de segurança para o enfrentamento à epidemia do crack, foram promovidas 146 ações nas principais “cracolândias” do município. Ao todo, foram 6.228 acolhimentos, sendo 5.423 adultos e 785 crianças e adolescentes. No começo deste ano, a ação resultou em 44 abordagens a adultos.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas