Índios comemoram com festa prazo maior para 'aldeia Maracanã'

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Justiça deu 10 dias de prazo para União se manifestar em ação que tenta impedir demolição de prédio para construção de estacionamento

BBC

BBC

Os indígenas e simpatizantes que ocupam o antigo Museu do Índio, prédio ao lado do estádio do Maracanã ameaçado de demolição para a construção de um estacionamento, comemoraram com uma grande festa a decisão da Justiça de dar um prazo para que a União se manifeste sobre o caso.

O Tribunal Regional Federal da 2ª Região determinou na quinta-feira que a União tem dez dias para se manifestar sobre o recurso do Ministério Público Federal que busca impedir a demolição do prédio e a retirada dos ocupantes do Museu do Índio.

Leia também: Justiça determina que União se manifeste no caso da Aldeia Maracanã

Marcio Mercante / O Dia
Índios protestam e dizem que vão resistir a desocupação do terreno (12/01)


A notícia de que o dia terminara com uma decisão favorável nos tribunais chegou de forma simplificada à chamada 'Aldeia Maracanã', mas gerou uma grande festa e muita comoção entre os ocupantes do prédio, na zona norte do Rio.

"O tribunal suspendeu a derrubada do prédio!", anunciou um dos indígenas no microfone, contando uma versão inicial excessivamente otimista dos fatos, mas conclamando todos os presentes para o espaço central do prédio para comemorar. "Vamos acender a fogueira!"

O fogo foi ateado e a celebração começou, com muita dança e cantoria na roda que se abriu a seu redor.

Alento

A decisão foi mais um passo na batalha jurídica em relação ao terreno. Os indígenas sabem que está longe de ser uma solução para o impasse, mas interpretaram a notícia como um alento, durante dez dias, para a ameaça de demolição do prédio - sobretudo após longos momentos de tensão vividos no último sábado, quando a polícia fez um cerco ao local e o despejo dos ocupantes parecia iminente.

"A gente está um pouco aliviado, não por muito tempo, mas é um alívio. Estou muito emocionado", disse à BBC Brasil o líder da comunidade, Carlos Tukano. "Estamos esperançosos."

O caso: Governo do Rio prevê para esta semana desocupação de Museu do Índio
O recurso: Procuradoria vai a Justiça para impedir demolição do antigo Museu do Índio

"A Justiça vai verificar outros trâmites legais para a gente continuar essa luta e para a manutenção deste prédio. Vamos continuar o trabalho de conscientização da sociedade civil, que está começando a entender a posição dos povos indígenas. E a gente ganha tempo para responder ao governador", afirmou, referindo-se à proposta de criação de um centro de referência para povos indígenas em um outro local caso os ocupantes concordem em deixar o imóvel, feita nesta semana pelo governo de Sérgio Cabral.

O governo do Estado do Rio comprou da União o terreno do antigo Museu do Índio - onde funcionam também laboratórios do Ministério da Agricultura - e prevê sua demolição como parte do projeto de melhorias planejadas para os arredores do Maracanã para a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016.

Mais de 20 famílias indígenas vivem no local desde 2006 e vêm lutando para que ele continue de pé e vire um centro de referência indígena - e para que possam permanecer no local.

Boato

Na manhã desta quinta-feira, um boato de que a polícia estava novamente a caminho rapidamente se espalhou, levando todos que estavam no local a se mobilizarem imediatamente - e expondo o clima de tensão na comunidade.

De acordo com o juiz João Batista Damasceno, que é simpático à causa dos indígenas e foi para o local após saber sobre a determinação do TRF-2, a notícia "é uma resposta positiva para os próximos dez dias."

"Coloca uma luz no fim do túnel. Há um problema na transferência deste prédio da União para o governo do Estado, que na transação não disse que ele seria demolido. A empresa pública federal não o transferiu com essa finalidade", observa Damasceno, membro da Associação Juízes para a Democracia.

"Nesta altura do campeonato, dez dias são muito tempo. Porque cada minuto aqui é relevante, já que outros órgãos podem se manifestar."

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas