Na noite desta quinta-feira, ônibus urbanos desapareceram, táxis não tinham condições de deslocamento e os trens e metrô deixaram de circular; veja imagens

Agência Brasil

Agência Brasil

Choveu forte no fim da noite dessa quinta-feira (17) no Rio, provocando um caos no trânsito e deixando as principais ruas e avenidas da cidade com alagamentos e bolsões d'água. A chuva forte durou duas horas e foi o suficiente para deixar o carioca sem condições de voltar para casa. Os ônibus urbanos desapareceram, os táxis não tinham condições de deslocamento, os trens deixam de circular às 23h e o metrô, uma hora depois.

Morro do Palácio:  Menina de 13 anos morre após deslizamento em morro de Niterói

Leitor do O Dia registrou alagamento na avenida Oliveira Belo, na Vila da Penha (17/01)
Leitor/O Dia
Leitor do O Dia registrou alagamento na avenida Oliveira Belo, na Vila da Penha (17/01)


O Centro de Operações da Prefeitura informou que a Bacia da Baía de Guanabara retornou para o estágio de atenção a 0h55 de hoje devido ao deslocamento dos núcleos de chuva forte para o oceano. Esse nível de alerta é o segundo de uma escala de quatro e caracteriza-se por chuva moderada, ocasionalmente forte. A Bacia da Baía de Guanabara entrou em estágio de alerta às 22h55, depois que a chuva aumentou de intensidade na zona norte da capital.

Previsão: Fim de semana será marcado por chuva em grande parte do Brasil

Mais: Mapeamento do Estado do Rio identifica 48 mil pessoas sob risco em 67 cidades

Durante a madrugada, a avenida Brasil, principal ligação da zona portuária com os bairros das zonas norte e oeste, apresentou diversos bolsões d'água, principalmente no bairro do Caju, em Manguinhos, Irajá, Parada de Lucas e Cordovil, onde a via expressa ficou interditada nos dois sentidos, devido à grande quantidade de água nas pistas. Os motoristas ficaram presos por mais de duas horas no engarrafamento, sem conseguir voltar para casa.

Após forte chuva, água tomou conta da rua Corrêa Dutra, na região do Catete (17/01)
Rodrigo Berthone / Agência O Dia
Após forte chuva, água tomou conta da rua Corrêa Dutra, na região do Catete (17/01)


A Defesa Civil municipal acionou o sistema de alerta em duas comunidades: Pequiri, em Brás de Pina, e Nova Maracá, em Thomáz Coelho, no subúrbio da cidade. As sirenes alertam os moradores para procurar locais seguros, como creches e escolas, que são pontos de apoio já estabelecidos em casos de chuva forte, com risco de deslizamento de terra.

A chuva também atingiu a área central da cidade, como os Arcos da Lapa, as avenidas Gomes Freire, Mem de Sá e Salvador de Sá, onde na hora do temporal os motoristas retornaram pela contramão, porque não tinham condições de seguir para o bairro da Tijuca, na zona norte.

Veja também: Empresa recolhe 20 toneladas de lixo e lama das ruas do Rio após temporal

Trânsito: Tempo perdido triplica no Rio nos últimos 10 anos

A avenida Radial Oeste, na altura do Estádio Mário Filho, o Maracanã, ficou com as pistas alagadas, devido ao transbordamento do rio Maracanã. No cruzamento da avenida 28 de Setembro com a rua São Francisco Xavier, em Vila Isabel, um bolsão d'água prejudicava a passagem dos motoristas de carros de passeio. A Praça da Bandeira também voltou a encher, como ocorreu no temporal que atingiu a cidade na última terça-feira (15).

Na Linha Vermelha, uma árvore caiu sobre a pista, interditando o tráfego de veículos nos dois sentidos, por volta das 23h40. A situação só foi normalizada às 2h. Pouco antes da meia-noite, os pluviômetros da prefeitura registraram chuva muito forte nos bairros da Urca, de Laranjeiras e Santa Teresa, na zona sul.

O rio Pavuna, na divisa com o município de São João de Meriti, e o rio Botas, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, entraram em estágio de alerta devido ao risco de transbordamento, segundo constatou o Sistema de Alerta de Cheias do Instituto Estadual do Ambiente (Inea).

As cooperativas de táxis estavam levando mais de meia hora para atendimento depois que a chuva diminuiu. Os ônibus urbanos não conseguiam chegar ao centro e muita gente passou a noite nas marquises e abrigos por falta de coletivos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.