Pane cancela cirurgias infantis no Rio

Por O Dia - Francisco Edson Alves | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Problema no sistema de refrigeração deixou centro cirúrgico inoperante. Associação dos Médicos diz que há um mês centro cancela até 15 procedimentos por dia

Por falta de refrigeração nas salas de operação, o Hospital Municipal Jesus, em Vila Isabel, referência no atendimento pediátrico na zona norte, está há um mês cancelando entre 10 e 15 cirurgias por dia. Pane no sistema de ar condicionado central deixou o centro cirúrgico praticamente inoperante desde o início de dezembro. A denúncia é do Movimento dos Médicos e Dentistas Estatutários, criado pelo Sindicato dos Médicos.

Vetado pela ANS: Suspensão da venda de 225 planos de saúde já está valendo

“A gestão do hospital é caótica”, atacou o presidente do sindicato, Jorge Darze. Ele ressalta o risco de se adiarem as intervenções. “Os médicos da unidade temem com a possibilidade de o quadro de saúde de muitas crianças que necessitam ser operadas se agravar”, afirmou. Segundo o sindicato, o Hospital Jesus fazia pelo menos 400 cirurgias de média e alta complexidade todos os meses.

Carlo Wrede / Agência O Dia
Após um ano de espera, Jeane conseguiu marcar cirurgia para Jean, mas a operação acabou cancelada

O problema da refrigeração não é de agora. Médicos contaram que o sistema de ar condicionado vinha funcionando precariamente desde o dia 21 de novembro e parou definitivamente em 10 de dezembro. De acordo com alguns pais, as cirurgias estão sendo desmarcadas sem nenhum tipo de explicação.

“Estou decepcionada. Levei um ano para conseguir marcar a cirurgia (para correção de falha de nascença no couro cabeludo) do meu filho (Jean, de 4 anos). Em setembro, me ligaram do hospital e desmarcaram, sem nenhuma justificativa. Me mandaram voltar para marcar uma nova data, mas alegaram que o sistema de informática para a marcação de operações e consultas está fora do ar”, lamentou a cabeleireira Jeane Ferreira, 32, que mora na Taquara, em Jacarepaguá.

Nem consultas são marcadas

Simone Rodrigues, 38, moradora de Santa Cruz, na zona oeste, também está apreensiva. Ela não consegue marcar uma cirurgia para a correção dos testículos do filho, Vitor Hugo, de 7 anos, que é cadeirante, pois sofre de paralisia cerebral. Ela se queixa de que também não consegue marcar consultas na unidade com oftalmologista e neurologista.

“ É um sacrifício enorme sair de Santa Cruz e trazer meu filho aqui (no Hospital Jesus) de ônibus, para ouvir sempre a mesma desculpa: que o sistema está fora do ar. Ele sente fortes dores e precisava operar logo”, ressaltou.

Conserto teria sido pedido em dezembro

Em nota, a direção do Hospital Municipal Jesus informou que o conserto do ar condicionado central foi solicitado assim que surgiu o defeito. “O funcionamento deve retornar ao normal ainda esta semana”, diz a nota. Conforme a direção da unidade, os procedimentos cirúrgicos de menor porte foram mantidos no próprio hospital.

Apesar de a unidade afirmar que as cirurgias não foram adiadas ou conceladas, mas “transferidas para o Hospital Nossa Senhora do Loreto, Souza Aguiar e Miguel Couto”, mães de pacientes garantem o contrário. “A do meu filho (Davi, 3), na uretra, foi cancelada em outubro e não foi remarcada”, rebateu Raquel Vidal, 18.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas