Ativistas acompanham cerco da Polícia Militar ao antigo Museu do Índio, no Rio

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Policiais devem cumprimento da decisão judicial que cassou a liminar que garantia a permanência dos índios, que desde 2006 ocupam o prédio e ali fundaram a Aldeia Maracanã

Agência Brasil

Agência Brasil

Ativistas de direitos humanos e defensores da causa indígena acompanham o cerco da Polícia Militar ao prédio do antigo Museu do Índio, vizinho ao estádio do Maracanã, na zona norte do Rio. Segundo a PM, a presença dos policiais do Batalhão de Choque no local visa garantir o cumprimento da decisão judicial que cassou a liminar que garantia a permanência dos índios, que desde 2006 ocupam o prédio e ali fundaram a Aldeia Maracanã.

O caso: PM cerca área indígena do Maracanã para reintegração de posse para a Copa 2014

Fabio Gonçalves / Ag. O Dia
Índios se opõem a sair do antigo museu do Índio para reintegração de posse da área a Copa

Embora os índios tenham manifestado a disposição de reagir à desocupação, o clima no momento é de calma na área do antigo museu. Desde cedo no local, o defensor público federal Daniel Macedo reconheceu que a liminar foi cassada, mas ressaltou que sem autorização judicial a PM não pode ocupar o prédio. “É necessária a vinda de um mandado de imissão de posse. Sem isso, é ilegal qualquer atitude da Polícia Militar em invadir esse prédio”, disse

Fabio Gonçalves / Ag. O Dia
Policiais do Batalhão de Choque cercaram o antigo Museu do Índio para reintegração de posse

Representantes do governo fluminense estiveram no local, entre eles o presidente da Empresa de Obras Públicas do Estado (Emop), Ícaro Moreno Junior, que por volta do meio-dia entrou no prédio, escoltado, para uma conversa com o cacique Carlos Tucano.

A Emop é a responsável pelas obras de modernização do complexo do Maracanã, que incluem a demolição do antigo museu. A licitação para a demolição foi feita no último dia 20 de dezembro, mas o contrato com a empresa vencedora, que terá 30 dias para realizar o trabalho, ainda não foi assinado.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas