Pelas ruas do distrito de Duque de Caxias, população tenta retomar a rotina. A falta de água é o maior problema para os moradores, que ainda trabalham na limpeza de suas casas

Agência Estado

Cinco dias após as fortes chuvas que causaram a morte de uma pessoa em Xerém, distrito de Duque de Caxias (RJ) , a prefeitura estimou em R$ 30 milhões os recursos necessários para a reconstrução do distrito. O valor foi definido após uma vistoria na manhã desta segunda-feira (7), que contou com técnicos do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Defesa Civil, Ministério Público e Defensoria Pública. A comitiva também inspecionou as casas nas margens do rio Capivari e demoliu dez unidades que estavam ameaçadas.

Leia também: 
Prefeitura de Caxias condena 150 casas
Casas avariadas pelas chuvas em Duque de Caxias são demolidas pela prefeitura

Os recursos foram solicitados pelo prefeito Alexandre Cardoso (PSB) ao Ministério da Integração Nacional. Na sexta-feira (4), o ministro Fernando Bezerra esteve em Xerém para verificar os estragos causados pelas fortes chuvas da madrugada de quinta-feira . Os recursos serão destinados para reconstrução de pontes e vias, além de garantir o aluguel social das famílias desabrigadas no valor de R$ 500. A previsão é que os recursos sejam liberados em até 60 dias.

Veja imagens da destruição causada pela chuva:

Nesta segunda-feira, técnicos da Defesa Civil vistoriaram as construções mais atingidas e danificadas pelas chuvas, nas regiões de Pedreira e Café Torrado. A inspeção identificou outras 48 casas em risco, que foram interditadas e devem ser demolidas até o final da semana. Além delas, outros 100 imóveis aguardam um laudo técnico da Defesa Civil. Somente após o laudo é que poderá ser iniciado o processo de derrubada e indenização das vítimas. "Ainda estamos fechando o número de casas, que depende da avaliação da Defesa Civil", informou o prefeito Alexandre Cardoso, durante a vistoria, pela manhã. "A população nos cobra rapidez, mas estamos fazendo o possível."

Leia mais:
Em dia de sol, entidades realizam mutirão de limpeza em Duque de Caxias
Cruz Vermelha e Metrô recolhem doações para vítimas das chuvas no Rio
Ajuda de Zeca Pagodinho a moradores de Xerém repercute nas redes sociais

Durante todo o dia, os moradores desalojados por conta das enxurradas permaneceram nas portas de casa à espera da vistoria. Ana Paula Moreira, de 36 anos, estava emocionada ao retornar ao seu antigo endereço pela primeira vez desde a tragédia. "É uma sensação de fracasso, olhar para a casa que você construiu nesse estado". Entre os escombros de sua casa, ela só encontrou um álbum de fotos. "Espero que a indenização não caia no esquecimento. Tudo que a gente tinha era isso daqui."

Pelas ruas, a população tentava retomar a normalidade em Xerém. A falta de água é o maior problema para os moradores, que ainda trabalham na limpeza de suas casas. Cerca de 12 mil pessoas estão sem acesso à água encanada. A previsão é que o sistema seja restabelecido até o final da semana. Até lá, caminhões pipa e doações garantem o consumo mínimo aos moradores.

Por toda a cidade, ainda há muita lama e poeira. Nos postos de atendimento da prefeitura, Defesa Civil e assistência social, os moradores fazem fila para retirada de documentos e cadastro nos programas de indenização. No centro de entrega de donativos, na Praça da Mantiqueira, as vítimas da tragédia reclamam de favorecimento, desvios e desinformação.

Desde a noite da tragédia morando em um abrigo improvisado numa escola, o pedreiro Adilson Santos, de 46 anos, reclamou da estrutura, higiene e alimentação oferecida no espaço. "Está muito bagunçado. Os desabrigados é que se uniram para fazer a comida e a limpeza, pois nos primeiros dias estava muito ruim. A gente tem que se unir mesmo, pois ninguém ajuda, não."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.