Prefeito decreta situação de calamidade pública na saúde em São Gonçalo

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Novo prefeito do segundo município mais populoso do Rio de Janeiro decretou situação de calamidade na saúde pública devido à falta de profissionais, de leitos e de medicamentos

Agência Brasil

Em seu terceiro dia útil de governo, o recém-empossado prefeito de São Gonçalo, Neilton Mulim, decretou nesta segunda-feira (7) situação de calamidade na saúde pública devido à falta de profissionais, de leitos e de medicamentos. O município é o segundo mais populoso do Estado, com 1 milhão de habitantes, e está em último lugar em saúde básica no Rio de Janeiro, segundo avaliação do Ministério da Saúde.

Leia também: ANS vai testar indicador de qualidade de hospitais privados 

“Decretamos estado de calamidade pública por conta de tudo aquilo que vimos. Eu estive no complexo hospitalar, e vi profissionais de saúde atendendo em banheiros, a ortopedia masculina funcionando dentro do Hospital da Mulher - onde certificamos da ausência de aparelhos importantes, como o ultrassom, além da falta de farmácia básica, insumos, soro fisiológico”, disse o prefeito.

Segundo ele, a situação de calamidade faz com que a burocracia diminua e permite a realização de ações emergenciais voltadas à população. O prefeito acredita que, com a iniciativa, a sociedade poderá verificar a situação real do município, que possui um rombo orçamentário de mais de R$ 100 milhões. Neilton Mulim disse que agora busca meios para a contratação de médicos e de outros profissionais de saúde.

Leia tudo sobre: são gonçalorio de janeirosaude

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas