Alimentos, principalmente não perecíveis, colchonetes, roupas de bebê e produtos de higiene para os atingidos pela enchente são recebidos em 11 pontos de doação

Agência Brasil

Voluntárias organizam doações em um dos postos da Cruz Vermelha, no Rio de Janeiro
Divulgação/Cruz Vermelha
Voluntárias organizam doações em um dos postos da Cruz Vermelha, no Rio de Janeiro

A Cruz Vermelha montou 11 pontos de recolhimento e distribuições de doações para as vítimas das enchentes na Baixada Fluminense. De acordo com a voluntária Regina Celis da Silva o movimento é grande desde sexta-feira (4).“Estamos precisando de alimento, principalmente não perecíveis, de colchonetes, roupas de bebê e produtos de higiene,” disse.

Galeria:  Veja imagens da destruição provocada pela chuva na Baixada

Um dos pontos é a Igreja Metodista Wesleyana, em Xerém, distrito de Duque de Caxias, um dos mais atingidos pela enxurrada de quinta-feira (2). “Sempre é bom esse pouquinho para pessoas que perderam tudo. O pessoal saiu de Niterói, Nova Iguaçu, Realengo, e nós nos juntamos e fizemos essa primeira doação, a gente pretende ajudar mais essas pessoas. Nós trouxemos alimento, água potável, material de limpeza, higiene pessoal e trouxemos algumas coisas para as crianças também", contou o presidente do moto-clube evangélico Êxodos, Mauro de Oliveira.

Um dos postos de recebimento de doações para as vítimas da enchente no Rio e Baixada
Divulgação/Cruz Vermelha
Um dos postos de recebimento de doações para as vítimas da enchente no Rio e Baixada

Vítima da enchente, a ajudante de cozinha Ilma de Souza Alves foi ao local em busca de ajuda para suprir as primeiras necessidades.

Prefeitura de Caxias recebeu e ignorou mapeamento de 98 áreas de risco

Criança desaparecida após chuva é localizada em Nova Iguaçu

Sem obras contra chuvas, tragédias continuarão acontecendo no Rio

“Eu tô precisando de colchonete, de travesseiro, de roupa de cama e roupa para vestir pelo menos nas primeiras semanas, até onde eu moro conseguir ter água pra mim (sic) lavar algumas coisas, que eu não 'botei' tudo fora, porque eu ainda acho que vai dar jeito lavando. Preciso só que me ajude nos primeiros momentos, pra depois eu começar andar com meus próprios pés”.

Outra ação, promovida pela Defensoria Pública do Estado, foi a força-tarefa para a emissão de documentos. A defensora pública Alessandra Bentes explica que o modelo segue o mesmo usado em Nova Friburgo, depois da tragédia de 2011.

Veja imagens de destruição das regiões atingidas pela enchente:

“Nós trouxemos o nosso equipamento e pessoal para atender essas pessoas com emissão de segunda via de documentos, de identidade, certidão de nascimento, certidão de casamento, orientação jurídica, apoio psicológico para os desabrigados se for o caso, encaminhamento para que as pessoas obtenham o aluguel social, cujo cadastramento está sendo feito pela prefeitura”.

Os postos de doação da Cruz Vermelha podem ser consultados no site da entidade, clique aqui .

A partir de segunda-feira (7) o MetrôRio, em parceria com a organização não governamental Viva Rio, também vai recolher doações para os desabrigados pelas fortes chuvas. A coleta será feita nas estações Cardeal Arcoverde, Siqueira Campos, Flamengo, Botafogo, Largo do Machado, Glória, Cinelândia, Carioca, Uruguaiana e Saens Peña.

A campanha é coordenada pela Secretaria Estadual de Transportes e vai até 4 de fevereiro. Os pedidos são por água mineral, alimentos não perecíveis, material de higiene pessoal e limpeza, fraldas descartáveis, colchões, colchonetes, roupa de cama e de banho, cobertores e botinas de borracha.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.