Com 43,2ºC, Rio de Janeiro tem o dia mais quente da história

Temperatura desta quarta-feira (26) foi a maior já registrada pelos termômetros do Inmet na capital fluminense, que fazem essa medição desde 1915

iG São Paulo | - Atualizada às

A cidade do Rio de Janeiro registrou, nesta quarta-feira (26), o dia mais quente de 2012 e dos últimos 97 anos. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a temperatura máxima na capital fluminense foi de 43,2ºC. Desde 1915, quando começaram as medições de temperatura, esta foi a temperatura mais alta da história.

Veja a previsão do tempo para a sua cidade

Alessandro Buzas/Futura Press
Banhistas enfrentam forte calor nesta quarta-feira, na praia de Ipanema, no Rio de Janeiro

De acordo com Inmet, a sensação térmica chegou a 47ºC em alguns pontos da cidade. O dia mais quente do ano tinha sido, até então, 19 de setembro, com registro de 41,6º C na região da Marambaia, na zona oeste.

Segundo a meteorologista Michelle Lima, os dias quentes são característicos do verão, estação que começou na última sexta-feira (21). "Além disso, há um sistema de alta pressão atuando na Região Sudeste, impedindo a entrada de frente fria, que ameniza as altas temperaturas."

Agência Brasil
Trabalhadores sofreram para andar pelo Rio nesta quarta-feira

Ela informou que, em Cachoeiras de Macacu, na região serrana do Estado, e em alguns pontos das baixadas litorâneas, ocorreram chuvas rápidas na tarde de hoje. Para a quinta-feira (27), a temperatura deve cair um pouco, com a chegada de uma linha de instabilidade no Rio de Janeiro. A previsão é que a temperatura oscile entre 36 e 37 graus.

Segundo a concessionária de energia elétrica Light, faltou energia em algumas áreas da cidade, como Campo Grande, Bangu e Jacarepaguá, na zona oeste, e Bonsucesso, na região da Leopoldina. A Light informou que está normalizando gradativamente o fornecimento de energia nas ruas destes bairros. Técnicos da concessionária trabalham também nos municípios de Nova Iguaçu e Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, onde houve problemas em algumas áreas.

No Rio, a sensação térmica, superior à temperatura real, levou muita gente a procurar abrigo em lojas de eletrodomésticos, agências bancárias e shopping centers, que funcionam com o ar condicionado ligado. "Eu nunca vi um calor como este no Rio. Para dormir esta noite foi muito difícil. O colchão estava quente e não corria um vento. Mesmo com dois ventiladores ligados, não consegui dormir direito", disse a aposentada Eufrásia de Carvalho, de 78 anos, que se refugiu em uma loja de eletrodomésticos na rua Dias da Cruz, no Méier.

O calor está tão intenso nos dois últimos dias no Rio de Janeiro, que a água sai quente das torneiras de casas, prédios e condomínios. As praias, do Leme ao Recreio dos Bandeirantes, ficaram lotadas durante todo o dia. Era tanta gente que ficou difícil achar espaço na areia para armar as barracas.

Com a chegada do verão, os preços também subiram na orla. Um coco, que antes custava R$ 4 nos quiosques da orla, subiu para R$ 5. A latinha de cerveja e refrigerante está custando R$ 4 nas barracas na areia da praia. Os guarda-sóis estão sendo alugados por R$ 5 reais e as cadeiras de praia, por R$ 3.

* Com Agência Brasil

    Leia tudo sobre: recorde de calorrio de janeirocalor

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG