Segundo as investigações, três assaltantes entraram no carro da vítima que reagiu e foi alvejadacom um tiro na testa

O Dia

Um policial civil foi morto na noite desta quinta-feira (20) na Praça do Ó, Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio de Janeiro. O inspetor Marcelo Mazzei Ramalho, de 36 anos, que trabalhava na 18ª DP (Praça da Bandeira), foi abordado por três jovens quando entrava no carro. Ele reagiu, levou um tiro na testa e morreu no local.

Agentes da Divisão de Homicídios (DH) foram alertados por testemunhas, fizeram buscas e apreenderam nas imediações do crime F. , de 16 anos. Reconhecido como um dos criminosos, ele estava com um revólver calibre 38. Uma operação foi montada com apoio da Core e, na Favela Rio das Pedras, Wallace Gomes do Carmo, 20 anos, foi preso. A DH busca ainda por Antônio João da Silva Júnior, o Arcanjo, 18.

"Quero ressaltar a ajuda da população, que nos chamou e, por isso, conseguimos deter dois dos três acusados. Ainda hoje vamos encontrar o outro envolvido. Quando a população se aproxima da polícia todos nós saímos ganhando. Quero agradecer e fazer um apelo para que as pessoas fiquem indignadas com a criminalidade e denunciem", disse o delegado titular da DH Rivaldo Barbosa.

Segundo as investigações, os três assaltantes entraram no carro junto com a vítima. Wallace sentou no banco do carona e ficou apontado o revólver para Marcello. Ao perceber uma distração dele, o inspetor segurou a arma, mas levou uma gravata de Antônio, que estava no banco de trás. "Nessa confusão, a arma disparou e atingiu o policial", explicou Rivaldo. Wallace é oriundo da Favela Parque União, no Complexo da Maré. Ele tem passagem pela polícia por roubo e era foragido do sistema penitenciário.

O inspetor Marcelo Mazzei, que era casado e tinha um filho, estava praticando corrida na praia antes de ser abordado pelo trio. A DH informou que ele não reagiu puxando a própria pistola, que estava no porta-malas do carro. Wallace vai responder por latrocínio (roubo seguido de morte) e pode pegar de 20 a 30 anos de cadeia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.