Corpos de casal encontrado em São Gonçalo são enterrados juntos

Policial que disse que casal morreu por asfixia foi afastado do caso e novo delegado a assumir as investigações afirma que é preciso esperar laudo cadavérico para uma conclusão

O Dia | - Atualizada às

Os corpos do casal de namorados Diogo Moreira Quadros, de 23 anos, e Verônica Souza de Leão, 21, foram sepultados por volta das 13h desta quinta-feira no Memorial Parque Nycteroy, em Niterói, na Região Metropolitana. Os dois foram enterrados na mesma sepultura, após um rápida cerimônia, e sob grande comoção de parentes e amigos, que preferiram não falar com a imprensa. Oficiais entregaram à bandeira do Brasil para a mãe de Diogo, que é cabo da Marinha. Cerca de 200 pessoas acompanharam o cortejo.

Desaparecido misteriosamente desde a noite de quinta-feira passada, o casal foi encontrado morto, dentro do carro de Diogo, na garagem da casa onde morariam após ocasamento, no bairro Covanca, em São Gonçalo. Os corpos não apresentavam marcas de violência.

Alessandro Costa / Agência O Dia
Corpos foram foi encontrados, dentro de carro, na garagem da casa onde morariam após o casamento


Na manhã de quarta, o delegado Henrique Viana, da 73ª DP (Neves), foi categórico ao afirmar que o casal havia morrido por asfixia , intoxicado por gás carbônico. Ela foi encontrada com a blusa levantada sobre os seios. “Eles começaram a namorar no carro, com o ar-condicionado ligado, e desmaiaram. Não houve crime. Foi uma fatalidade”, disse. Mais tarde, o policial foi afastado da investigação do caso pela chefe de Polícia Civil, delegada Martha Rocha.

O delegado titular da Divisão de Homicídios de Niterói e São Gonçalo, Wellington Vieira, que assumiu o caso no início da tarde de ontem, disse que vai esperar os laudos cadavéricos e os exames de necropsia do IML para apontar a causa da morte do casal.

“Nenhuma hipótese pode ser descartada. Não dá para afirmar se foi homicídio ou morte acidental. Pode até ter sido suicídio. Não havia qualquer indício que nos permitisse apontar a causa da morte", disse o delegado.

Os policiais chegaram aos corpos após uma vizinha ter notado um mau cheiro muito forte vindo da garagem da casa ao lado, que pertence à família de Verônica. Inicialmente, a polícia trabalhava com a hipótese de sequestro, logo descartado, já que não houve pedido de resgate ou saques em contas bancárias. Suposto assalto ao casal também não se confirmou após análise de imagens de câmeras de segurança.

Compras para o noivado no porta-malas
A morte do casal Diogo e Verônica chocou os moradores do bairro Covanca, em São Gonçalo. Apaixonados, no dia da morte eles haviam saído de um supermercado onde fizeram compras para a festa de noivado. As bebidas estavam no porta-malas do carro onde Diogo e Verônica foram achados.

“Eles eram apaixonadíssimos, bem resolvidos, não tinham inimigos nem se misturavam com a bandidagem. O noivado seria no dia do meu aniversário, dia 24 agora. E morreram fazendo o que todo mundo gosta de fazer. Mas para que fazer num carro todo fechado?”, lamentou Cacildo Helião, avô de Verônica.

    Leia tudo sobre: casalsão gonçalorio de janeiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG