Cinco delegacias do Rio pedem prisão preventiva do 'tarado da zona norte'

Sargento da Aeronáutica Edvaldo Silva, de 34 anos, foi preso na sexta-feira acusado de cometer 10 estupros na região; pedidos de prisão são de sete inquéritos contra ele

O Dia - Guilherme Santos |

Para manter o sargento da Aeronáutica Edvaldo Silva Rodrigues Júnior, de 34 anos, preso até o julgamento, a Polícia Civil enviou nesta segunda-feira à Justiça sete pedidos de prisão preventiva contra o militar, que ficou conhecido como o ‘tarado da zona norte’ desde que foi capturado, sexta-feira, e acusado de cometer pelo menos 10 estupros na região.

São Paulo:  Jovem que atropelou mãe e filha deixa prisão após pagar fiança de R$ 12 mil

O Ministério Público já deu parecer favorável ao pedido, mas até o fim da noite o Tribunal de Justiça não havia confirmado o recebimento das solicitações. Os pedidos de prisão foram baseados em sete inquéritos abertos em cinco delegacias — dois na 25ª DP (Engenho de Dentro), dois na 26ª DP (Todos os Santos) e os outros três na 21ª DP (Bonsucesso), 28ª DP (Campinho) e 29ª DP (Madureira).

Uanderson Fernandes / Agência O Dia
Edvaldo Silva Rodrigues Júnior foi preso na última sexta-feira (7)

“Os pedidos mostram a alta periculosidade do acusado. Ele não pode ficar solto, representa perigo e uma ameaça às vítimas”, alegou o delegado Antenor Martins Júnior, titular da 25ª DP, responsável pela prisão do acusado, na última sexta-feira.

Na delegacia, Edvaldo confessou ter cometido pelos menos 15 ataques, sendo que dez foram consumados. Em depoimento, ele se disse arrependido, mas afirmou que “não sabia como parar” e que “sentia uma vontade incontrolável”. Segundo uma das vítimas, ao dizer que tinha apenas 13 anos, ela ouviu como resposta do militar: “Um dia você vai ter que aprender a fazer isso mesmo”.

O sargento segue detido temporariamente na carceragem da Base Aérea do Galeão, na Ilha do Governador. Através de nota, a Aeronáutica informou que procedimento administrativo para investigar a conduta do acusado foi aberto. O processo pode resultar na expulsão do militar da Força Aérea Brasileira (FAB).

    Leia tudo sobre: violência sexualabusoestuprozona norte do Riosargentoaeronáutica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG