Medida foi adotada após assassinato de um sargento da Polícia Militar. No sábado (8), morte de supostos comparsas do tráfico gerou toque de recolher na região

O Dia

Equipes de 20 UPPs ficarão no Complexo do Alemão por tempo indeterminado para reforço no patrulhamento. Após o toque de recolher do comércio no sábado, a mando do tráfico, ontem, as lojas e o transporte alternativo funcionaram normalmente.

O corpo do sargento da PM Alexandre Antônio Henriques Barbosa, assassinado horas após o confronto com bandidos em Nova Brasília, foi sepultado na tarde de ontem, no Cemitério de Inhaúma. 

Entenda:  PM da Unidade de Polícia Pacificadora é morto no Rio

Após morte de PM, Alemão recebeu o reformo de equipes de 20 UPPs; sábado teve toque de recolher
João Laet / Agência O Dia
Após morte de PM, Alemão recebeu o reformo de equipes de 20 UPPs; sábado teve toque de recolher

A família do policial não acredita que a morte do sargento tenha sido por tentativa de assalto, como informou o Coordenadoria de Polícia Pacificadora. “Não levaram nenhum pertence dele. Meu primo morreu porque o reconheceram como policial militar”, desabafou um morador que não quis se identificar.

A Divisão de Homicídios investiga se o PM foi morto em represália após a morte de dois bandidos na noite de sexta-feira, no Morro do Alemão.

Controle de território

A coordenadoria de pacificação informou ontem que o Setor de Inteligência está trabalhando para identificar os responsáveis pela determinação de fechamento do comércio. Para o sociólogo do Laboratório de Análise da Violência da Uerj, Ignácio Cano, a ordem imposta aos comerciantes questiona o controle territorial da comunidade.

Mais:  Policial de UPP é baleado em ataque de bandidos no Complexo do Alemão

“Esta imposição mostra que há bandos aterrorizando o morro, e isso prova que o patrulhamento não está sendo suficiente. As ações deixam os moradores ainda mais receosos com a pacificação”, explica Ignácio.

Ele aprova a decisão da PM de não obrigar os comerciantes a abrirem suas lojas no sábado. “Seria muito arriscado”, completa. Segundo o sociólogo, a saída para o fim dos confrontos é o reforço no policiamento.

“Que voltem com o Bope e Choque se for preciso. O que não pode é a população ficar acuada. A pacificação precisa ser logo consolidada para não colocar em risco outras UPPs”, disse.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.