Polícia Civil investiga hipótese de latrocínio na morte de desembargador

Agentes estão atrás de imagens de câmeras de segurança que podem ter gravado o crime

iG Rio de Janeiro |

O desembargador aposentado Gilberto Fernandes , de 79 anos, pode ter sido vítima de um latrocínio (roubo seguido de morte). Essa é a principal linha da investigação conduzida pela 77ª DP (Icaraí), segundo informações do delegado Mário Luiz da Silva.

Policiais civis estão nas ruas para localizar câmeras de segurança de prédios vizinhos que podem ter gravado imagens do crime cocorrido na noite desta quinta-feira (25). Familiares do desembargador vão ser convocados a prestar depoimento.

Ernesto Carriço / Agência O Dia
Enterro do desembargador assassinado em Niterói ocorreu na tarde desta sexta-feira (26)

"As pessoas que estavam no local é que vão poder nos fornecer melhores informações e detalhes. Com a exibição das imagens dos prédios próximos, é que vamos poder estabelecer eventual identificação dessas pessoas", disse o delegado.

Gilberto Fernandes foi morto a tiros na cidade de Niterói, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. O crime ocorreu por volta das 22h, no bairro de Icaraí, região nobre do município. A vítima estava acompanhada de um neto, menor de idade.

Testemunhas relataram que o desembargador deu marcha à ré em seu veículo após ser abordado por dois homens armados. Os suspeitos teriam atirado e fugido em seguida. Alvejado no pescoço e na cabeça, Gilberto Fernandes chegou a ser levado para o Hospital Estadual Azevedo Lima, mas morreu durante a madrugada.

O presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), desembargador Manoel Alberto Rebêlo dos Santos, lamentou o assassinato. Gilberto Fernandes foi o primeiro negro a ocupar o cargo de desembargador no Estado do Rio de Janeiro e atuou durante quase 30 anos no Poder Judiciário estadual.

Mais violência

Na noite de quinta-feira (25), o vereador eleito de Niterói, Lúcio Diniz Araújo Martelo, de 44 anos, conhecido como Lúcio do Nevada (PRP), também foi morto com vários tiros na porta de casa. Vários disparos atingiram o para-brisa do carro do vereador.

O caso está sendo investigado pela 78ª DP (Fonseca). Nenhuma hipótese de investigação foi descartada, segundo os policiais. O carro foi analisado pela perícia e a polícia aguarda o resultado dos laudos para tentar identificar os autores do crime.

Lúcio do Nevada era empresário ligado à indústria naval e foi eleito este ano, pela primeira vez, com 4.103 votos. Ele foi o sexto mais votado na cidade.

* com informações das agências Brasil, Estado e do jornal O Dia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG