Ônibus estava acima da velocidade quando caiu em ribanceira no Rio

Perícia analisou tacógrafo e concluiu que veículo estava a 20 km/h acima da velocidade permitida na rodovia Rio-Teresópolis; número de mortos subiu para 15

O Dia | - Atualizada às

Alexandre Gonçalves / Agência O Dia
Familiar chora no IML ao confirmar a morte dos pais

O ônibus que caiu em ribanceira e matou até agora 15 pessoas estava acima da velocidade no momento do acidente na Rio-Teresópolis, na última segunda-feira. Informação foi divulgada pela perícia após análise de tacógrafo, equipamento que mede a velocidade do veículo durante a viagem.  De acordo com peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE), o ônibus estava a 80 km/h, 20 km a mais do que o permitido no trecho.

Leia também: Ônibus da 1001 havia passado por duas vistorias antes de acidente

As informações são do jornal RJ TV . Nesta quarta-feira, subiu para 15 o número de mortos no acidente. Ernestina Santos, de 62 anos, morreu às 5h20 desta quarta, no Hospital das Clínicas de Teresópolis, onde estava internada. Pela manhã, foram enterrados o corpos do motorista Eduardo Fernandes, de 44 anos, em São José do Avahy, e do casal de idosos José Neves Mota, de 59 anos, e Maria Aparecida Mota Neves, de 53 anos, no Cemitério de Miracema, ambos no Noroeste Fluminense.

Os corpos de Jussara Nelos Magacho e Osvaldo Dias da Costa serão enterrados às 16h da tarde desta quarta-feira no Cemitério São João Batista, em Botafogo, na zona sul.

Vistorias

As duas vistorias da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) pelas quais passou o ônibus da Auto Viação 1001 não foram suficientes para impedir a tragédia. O veículo, que saiu de Itaperuna rumo ao Rio, teria perdido o freio e caiu de altura de 10 metros. O ônibus só foi retirado da mata às 3h30 de ontem (23).

Parentes reconhecem mortos do acidente com ônibus no IML do Rio

A 1001, que tem 700 ônibus no Estado, acumula 553 multas este ano, segundo o Departamento de Transportes Rodoviários do Rio de Janeiro (Detro). Se cada veículo tiver sido multado uma vez, o total de infrações corresponderia a 79% da frota. Entre as irregularidades, há falta de inspeção anual obrigatória nos ônibus.

A ANTT informou que intensificará a fiscalização nas garagens da 1001 semana que vem. Este ano, a agência lavrou 183 multas contra a 1001, algumas por encontrar extintor vencido e tacógrafo (aparelho que mede a velocidade) sem lacre.

    Leia tudo sobre: ônibusacidenterio-teresópolismortes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG