Protesto lembra um ano do assassinato da juíza Patrícia Acioli

Juíza foi assassinada com 21 tiros. Acusados são policiais militares que esperam o julgamento presos

iG Rio de Janeiro | - Atualizada às

Agência Estado
ONG faz ato em homenagem à juíza assassinada há 1 ano

A ONG Rio de Paz faz desde a manhã desta sexta-feira (10) um protesto na praia de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, para lembrar a morte da juíza Patrícia Acioli, em Niterói, que completa um ano neste sábado (11).

O movimento fincou na areia 21 fotografias de balas de revólver -  em referência aos 21 tiros disparados contra a magistrada -  na altura da avenida Princesa Isabel.

Leia também:  Acusados da morte da juíza Patrícia Acioli vão a júri popular

PMs acusados do crime

De acordo com denúncia do Ministério Público, o assassinato da juíza ocorreu em represália às investigações feitas pela magistrada contra PMs envolvidos em autos de resistência.

Ainda de acordo com o MP, o mandante do crime seria o tenente-coronel Claudio Luiz Silva de Oliveira, ex-comandante do Batalhão de São Gonçalo (7º BPM), e executado pelo tenente Daniel Santos Benitez Lopez, além de outros 10 policiais. 

Os réus respondem por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, mediante emboscada e com o objetivo de assegurar a impunidade do arsenal de crimes) e formação de quadrilha armada, exceto o acusado Handerson Lents Henriques da Silva, que teria somente mostrado o local onde a juíza morava, cerca de um mês antes do crime. 

    Leia tudo sobre: patricia aciolicopacabanaprotesto

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG