Retaliação do tráfico a PMs corruptos é hipótese investigada para ataque à UPP

Denúncia que chegou à polícia indica que PMs teriam vendido a traficantes armas e drogas apreendidas mas não entregaram

Mario Hugo Monken iG Rio de Janeiro | - Atualizada às

Marcos Tristão/Agência O Globo
UPP da Nova Brasília que foi atacada por traficantes na última segunda-feira

Uma retaliação de traficantes à ação de maus policiais é uma das hipóteses investigadas sobre a motivação do ataque à sede da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) da favela Nova Brasília, no Complexo do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro, que terminou com a morte da soldado Fabiana Aparecida de Souza, na noite da última segunda-feira (23).

Leia também : Polícia divulga nomes e fotos de suspeitos de ataque à UPP no Alemão

Uma das denúncias que chegou à polícia apontou que PMs teriam ficado com armas e drogas apreendidas de um suspeito e tentaram vender aos traficantes. Segundo o informe, os criminosos teriam pago pelo material mas não receberam o mesmo. Com isso, decidiram atacar à UPP.

Outra informação que surgiu foi de que PMs poderiam estar envolvidos no sequestro de uma mulher de um traficante e os bandidos agiram como vingança.

Ação conjunta

Divulgação
Traficante conhecido como Régis foi apontado como um dos suspeitos de participar de atentado à UPP

Uma fonte da polícia que investiga o tráfico de drogas disse ao iG que três dos traficantes apontados pela PM como tendo participado do atentado: Régis Eduardo Batista, o RG, Ilan Nogueira Sales, o Capoeira, e Alan Montenegro, o Da Lua, não atuam no Complexo do Alemão. RG e Da Lua gerenciam o tráfico em favelas do vizinho Complexo da Penha, enquanto que Capoeira atua na favela de Manguinhos, na mesma região.

Leia também : Mesmo com Exército e UPPs, Alemão continua sendo a "tesouraria" do tráfico

Para o agente, a possível participação de três traficantes que não são do Alemão no atentado pode indicar que ele tenha sido um ato conjunto da facção criminosa Comando Vermelho (CV).

Segundo ele, uma das possibilidades é de que a ação foi desencadeada para proteger e evitar a apreensão do dinheiro da "caixinha" do CV, que chegaria todas as segundas-feiras à comunidade Pedra do Sapo, no Alemão. A quantia serve para a compra de armas, pagar advogados e sustentar famílias de líderes presos.

Afirma o agente, no entanto, que, para acontecer, o ataque teria que ter autorização do "dono" da favela, no caso Márcio dos Santos Nepomuceno, o Marcinho VP , atualmente preso na penitenciária de Porto Velho (Rondônia), de algum líder do CV preso no Rio ou do principal nome do grupo em liberdade, no caso Luciano Martiniano da Silva, o Pezão .

Investigação sigilosa

Divulgação
Capoeira, traficante apontado como participante de ataque à UPP

O comandante da UPP da Nova Brasília, capitão Marcio Rodrigues, disse ao iG que as investigações sobre o fato transcorrem de forma sigilosa. Ele disse que estão sendo checadas várias informações e que, por enquanto, é prematuro fazer comentários. Ele afirmou que sua tropa está empenhada no trabalho para tentar prender os autores do ataque.

A PM e a Coordenadoria de Polícia Pacificadora informaram não ter recebido denúncias sobre policiais no caso do atentado.

Leia também : Tráfico ataca UPP no Alemão e policial morre

As investigações sobre o atentado estão a cargo da Divisão de Homicídios da Polícia Civil. O titular da unidade, Rivaldo Barbosa, afirmou que a investigação é muito "complexa" e que estuda a possibilidade de realizar até mesmo uma reconstituição do fato.

O Disque-Denúncia tem informações de que o ataque à UPP teria sido praticado por 12 homens armados com fuzis. Ele fizeram disparos contra a sede da UPP da Nova Brasília e um container de apoio.

    Leia tudo sobre: ataque à UPP

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG