Sete bebês são transferidos de hospital atingido por incêndio no Rio

Canal que leva oxigênio à maternidade do hospital foi danificado pelo fogo

Agência Brasil |

Agência Brasil

O Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe) transferiu nesta quarta-feira (4) sete bebês da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal por causa do incêndio que atingiu o prédio do almoxarifado da unidade de saúde. A transferência ocorreu devido o comprometimento do canal que leva oxigênio à maternidade do hospital, que foi danificado pelo fogo.

Além dos bebês, encaminhados para três hospitais da cidade, quatro pacientes do setor de Hematologia foram retirados do hospital e levados ao Hemorio, instituto de hematologia do estado.

Leia também:  Incêndio em hospital deixa um morto no Rio de Janeiro

Fernando Quevedo / Agência O Globo
Fumaça gerada pelo incêndio no Hospital Universitário Pedro Ernesto pôde ser vista de longe

De acordo com o diretor do Hupe, Rodolfo Nunes, uma ala próxima ao almoxarifado também foi atingida por fumaça e calor, o que exigiu a retirada de dezenas de pacientes das enfermarias de Cirurgia Torácica, Cirurgia Plástica, Neurologia, Oftalmologia Feminina, Ortopedia, Nefrologia e Hemodiálise.

Durante a transferência dos pacientes para outros setores dentro do próprio hospital, uma paciente com fibrose pulmonar sofreu uma parada cardíaca e morreu. Ainda não se sabe se a inalação de fumaça ou a movimentação dentro do hospital contribuíram para a morte da paciente, que, segundo o Hupe, estava em estado terminal.

“Isso vai ter que ser analisado por um exame na paciente. Sem dúvida nenhuma, era uma doente muito fragilizada do ponto de vista respiratório e em condições terminais, segundo informações da Pneumologia”, disse Nunes.

Segundo a direção do hospital, as enfermarias interditadas terão que passar por uma limpeza antes de serem liberadas. Já o setor de Hemodiálise passará por uma avaliação mais criteriosa, já que existe o risco de a água usada na diálise ter sido contaminada durante o incêndio. “Não houve fumaça na Hemodiálise [setor], mas há preocupação com a água”, afirmou o diretor.

O reitor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), instituição ao qual o Hupe é vinculado, Ricardo Vieiralves, informou que o incêndio destruiu apenas material de consumo básico do hospital, como soros, gazes, seringas e algumas próteses. “Os remédios não foram afetados porque ficavam na farmácia”, disse.

Fernando Quevedo / Agência O Globo
Pacientes internados no Hospital Universitário Pedro Ernesto são socorridos pelos bombeiros

Segundo Vieiralves, a UERJ autorizou a compra de todos os produtos necessários para o funcionamento do hospital e a Secretaria Estadual de Saúde se comprometeu a ajudar com insumos de sua central de abastecimento. Um almoxarifado temporário será instalado na quadra de esportes do Hupe. O prejuízo do hospital, de acordo com Vieiralves, é aproximadamente R$ 5 milhões.

O reitor disse que é preciso esperar a perícia para conhecer a causa do incêndio, mas afirmou que o almoxarifado ficava em um prédio “recém-construído com todos os critérios de segurança estabelecidos”.

As consultas ambulatoriais do Hupe estão temporariamente suspensas e serão remarcadas ou transferidas para a Policlínica Piquet Carneiro, que também é vinculada à UERJ. Os parentes foram autorizados a fazer rápidas visitas aos pacientes do hospital pela manhã. A partir das 15h, a visitação voltará ao normal.

A direção do hospital também fará um levantamento para saber quais pacientes saíram de suas enfermarias e se dirigiram para outros setores do hospital durante o incêndio.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG