Manifestação questionou legitimidade de iraniano para debater sustentabilidade na Rio+20

Estadão Conteúdo

Protesto contra a presença de Mahmoud Ahmadinejad no Rio reuniu cerca de 300 pessoas em Ipanema
EFE
Protesto contra a presença de Mahmoud Ahmadinejad no Rio reuniu cerca de 300 pessoas em Ipanema

Cerca de 300 pessoas participaram neste domingo (17) de um protesto na orla da Praia de Ipanema, na zona sul do Rio, contra a presença do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, na cidade para a conferência Rio+20 .

Menina participa de protesto na orla de Ipanema
EFE
Menina participa de protesto na orla de Ipanema

O movimento foi organizado pela comunidade judaica, que participa da comissão de combate à intolerância religiosa, e contou com o apoio de ativistas de outras religiões, do movimento gay e do movimento negro.

Leia também:  Chávez anuncia visita de Ahmadinejad à Venezuela após Rio+20

Segundo Michel Gherman, da comunidade judaica, o objetivo do protesto foi questionar a legitimidade de Ahmadinejad para falar sobre sustentabilidade.

"Queremos aproveitar a visita dele para apontar a contradição entre o discurso do ódio que ele prega e o discurso ecológico. Negar o holocausto e perseguir homossexuais não pode ser um discurso sustentável", afirmou.

Confira o especial sobre a Rio+20

Durante o protesto, os manifestantes colocaram na Avenida Vieira Souto quatro tripés que simbolizavam troncos de árvores secas, para apontar a contradição entre a presença do presidente do Irã e a sustentabilidade discutida na Rio+20.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.