Morre menina que sofreu queimaduras após sessões de radioterapia

Polícia Civil indiciou por homicídio culposo três profissionais responsáveis pelos exames. Garota de sete anos tinha leucemia

iG Rio de Janeiro |

A menina Maria Eduarda Pereira Rodrigues Rosa, de sete anos anos, morreu na última quarta-feira (30), em um hospital da Tijuca, na zona norte do Rio de Janeiro, nove meses após ter sido vítima de um suposto erro durante sessões de radioterapia que pode ter sido a causa de queimaduras graves e de lesões no cérebro que ela sofreu.

A Polícia Civil indiciou nesta semana a física e os dois operadores que teriam sido os responsáveis pelo suposto erro. Eles vão responder pelo crime de homicídio culposo (quando não há intenção de matar). O inquérito, que inicialmente era por lesão corporal, já foi encaminhado para o Ministério Público Estadual.

Maria Eduarda teve diagnosticada em 2010 um tipo raro de leucemia. Segundo o seu pai, Ronaldo Rodrigues Rosa, em setembro de 2011, quando a menina já estaria praticamente curada da doença, ela foi realizar uma radioterapia preventiva na Clínica de Radioterapia São Peregrino, na Tijuca. O centro radioterápico foi interditado em fevereiro.

De acordo com Ronaldo, na ocasião, a física responsável pelo exame teria cometido o suposto erro: ela teria aplicado uma dosagem de radiação quase cinco vezes maior durante as oito sessões de radioterapia.

Após os exames, Maria Eduarda apresentou graves queimaduras na cabeça, rosto e pescoço. O quadro evoluiu para lesão neurológica, sendo que a menina perdeu a fala, os movimentos dos membros inferiores, apresentando quadro de depressão, esquecimento, e dificuldade de discernimento.

"Parte do cérebro dela não estava funcionando direito", disse Ronaldo.

Na última quarta-feira, Maria Eduarda morreu vítima das complicações das lesões que sofreu, segundo o seu pai.

Em nota, a Clinica de Radioterapia São Peregrino informou estar consternada e que lamenta profundamente a morte de Maria Eduarda.

Segundo o comunicado, tão logo identificadas as causas das lesões, a clínica se prestou a dar tratamento especializado.

A clínica informou  ainda que determinou a seus médicos e advogados que se prontificassem a oferecer toda a ajuda necessária e pleiteada por seus pais, assim como prestassem esclarecimentos solicitados pela justiça. Sobre uma nova queixa policial, declara que espera o pronunciamento das autoridades para definir a condução do caso.

    Leia tudo sobre: erro médicomorte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG