Batalhão de Choque dá 15 folgas e fim de semana em Angra por prisão de traficante

"Promoção" inventada por comandante pretende estimular soldados a prender líderes da Rocinha. Unidade deteve Nem em novembro

Raphael Gomide, iG Rio de Janeiro |

Raphael Gomide
Cartaz com a "promoção": folgas e fim de semana em Angra por prisão na Rocinha
O comandante do Batalhão de Choque da Polícia Militar do Rio, tenente-coronel Fábio Souza, inovou no marketing e na forma de estimular sua equipe a obter resultados, criando uma “promoção” como forma de recompensa inusitada e talvez inédita na corporação.

Leia Mais: Batalhão de Choque, que prendeu Nem, ganha força e nova função operacional

Um cartaz no mural de avisos do Choque se assemelha a um anúncio do Velho Oeste e avisa:
“Grande Promoção do Batalhão de Choque: Na prisão de ‘Canelão’ ou ‘Neto’ ganhe 15 dias de folga + um fim de semana em Ilha Grande”.

Embaixo do texto, no cartaz, há imagens dos dois criminosos, como “procurados” pelo Disque-Denúncia. A recompensa oferecida por Canelão é R$ 2 mil, e R$ 1 mil por Neto.

Leia também: Anunciada para março, UPP da Rocinha só sairá no fim de 2012

Inácio de Castro Silva, o Canelão, e Amaro Pereira da Silva, o Neto, são apontados como os dois principais traficantes remanescentes na Rocinha, após a tomada e ocupação da PM na maior favela do Brasil. Eles seriam ainda os responsáveis por alguns dos 11 assassinatos ocorridos na Rocinha desde a ocupação, entre os quais o de Feijão - supostamente morto a mando de Canelão. 

Foi uma equipe de policiais do Batalhão de Choque que prendeu o chefão do tráfico na Rocinha, Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, em novembro .

Leia mais: De olho na Copa e em 2016, uniforme da PM do Rio será similar ao da polícia de NY

Agência O Globo
Nem foi preso pelo Batalhão de Choque da PM
A unidade era responsável pelo cerco tático à favela e prendeu Nem quando ele tentava fugir no porta-malas de um carro .

Para o comandante, Fábio Souza, a medida tem o objetivo de estimular os policiais. Em vez de prêmio em dinheiro, o soldado receberia valorizadas folgas e o descanso em uma pousada na parasidíaca ilha em Angra dos Reis.

"O batalhão dá o fim de semana em Ilha Grande", disse ao iG , rindo, o tenente-coronel Fábio.

O Choque continua a atuar na favela de São Conrado, junto com o CPP (Comando de Polícia Pacificadora), sob o comando do major Édson, ex-Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais). Atualmente, três equipes da unidade continuam a patrulhar a comunidade.

Leia mais: Novo Caveirão do Bope deve ser o Maverick, da África do Sul

Em grupamentos de oito PMs, os soldados do Choque circulam de 8h às 20 e de 20h às 8h.
Um desses grupos pode ter a sorte de ganhar a recompensa.

Raphael Gomide
O comandante do Choque inovou para estimular prisão de criminosos
Desde a troca do comando da PM, em setembro, o Batalhão de Choque passou a ter um novo papel operacional , tornando-se cada vez mais uma tropa de elite operacional da PM, ao lado do Bope, com atuação tática importante.

Para isso, foram designados para o comando da unidade dois ex-integrantes do Bope, o tenente-coronel Fábio Souza ("caveira" 90) e o subcomandante, major Vinícius ("caveira" 93).

Na opinião do comandante, a prisão de Nem pela unidade aconteceu em um momento importante de mudança de perfil da unidade e ajudou os soldados a ganhar reconhecimento e aumentar a auto-estima.

O Choque recebeu, em abril, o prêmio do Sistema Integrado de Metas da Secretaria de Segurança , por ter se destacado entre as unidades especiais por cumprimento de metas e inovação.

    Leia tudo sobre: Batalhão de ChoquePMsegurançaRocinhaUPP

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG