Bombeiro que raptou e torturou namorada deverá ser expulso

Militar afirma que agressões eram fetiches do casal

iG Rio de Janeiro |

O segundo sargento do Corpo de Bombeiros Márcio Jefferson Santos Machado, de 43 anos, foi submetido nesta sexta-feira (11) a um processo de expulsão da corporação. A informação foi confirmada pela assessoria do Corpo de Bombeiros. Machado é acusado de ter mantido a namorada Cláudia Silva, de 24 anos, sob cárcere privado durante 15 dias .

Leia também: Bombeiro é preso suspeito de manter a namorada em cárcere por 15 dias

Durante esse período, a jovem foi espancada e forçada a manter relações sexuais com o namorado. Após as sessões de tortura, o militar tirava fotos da vítima. A motivação teria sido ciúmes, segundo a Polícia Civil. Cláudia teria postado fotos em uma rede social, o que teria desagradado o então namorado.

A vítima, que é auxiliar de dentista, foi resgatada por policias militares do 40º BPM (Campo Grande) na noite da última quinta-feira (10), após a irmã noticiar o seu desaparecimento. Ela estava na casa do bombeiro, no bairro de Campo Grande, na zona oeste do Rio, amarrada e vestia roupas do militar. Cláudia contou que o bombeiro cortou a linha telefônica da casa e saía para trabalhar todos os dias, a deixando presa na residência.

Em depoimento à 35ª DP (Campo Grande), onde o caso foi registrado, a irmã de Cláudia disse que o seu desaparecimento não foi notado antes pois ela disse que iria viajar com o namorado. De acordo com inspetores, a irmã teria afirmado que Machado já havia agredido a vítima e ameaçado a família de morte.

Em sua defesa, o bombeiro – que está na corporação desde 1990 e também trabalhava como auxiliar de dentista – disse, em depoimento, que as agressões e as filmagens faziam parte da intimidade do casal.
Machado está preso no Grupamento Especial Prisional (GEP), em São Cristóvão, na zona norte da capital fluminense, onde ficam os militares da ativa que respondem a crimes. Ele foi indiciado por estupro, cárcere privado, tortura e constrangimento ilegal e poderá ser condenado a 30 anos de reclusão.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG