Rivotril: a tarja preta mais vendida no País

SÃO PAULO - Na lista dos remédios mais vendidos no País nos últimos 12 meses, o ansiolítico Rivotril está em segundo lugar, de acordo com o Instituto IMS Health, que audita a indústria farmacêutica. O remédio perde apenas para o anticoncepcional Microvlar. Considerando apenas os medicamentos de tarja preta, ele é o primeiro da lista.

Lecticia Maggi, repórter do Último Segundo |

Arquivo pessoal
Luana (de preto) toma Rivotril há 6 anos
A alta no consumo de um remédio, que só pode ser vendido com retenção da receita, é assunto polêmico entre a classe médica. Especialistas ouvidos pela reportagem do Último Segundo apontam pelo menos três fatores para explicar este consumo exagerado: uma preocupação maior com a saúde mental, a falta de consciência de alguns pacientes que ignoram a recomendação médica e o despreparo de parte dos profissionais de saúde.

Segundo o psiquiatra Edson Capone de Moraes Junior, da Universidade Estadual Paulista (UNESP), o modelo médico existente, que separa corpo e mente, contribui para o aumento nas prescrições do Rivotril. Ao invés de atuar no problema, trata-se a consequência, diz. Há médicos que não diferenciam quadros de depressão, ansiedade e psicose, e para todos indicam o mesmo remédio.

O psiquiatra afirma que o Rivotril ¿ há 35 anos no mercado - passou a ser considerado uma das opções mais seguras pelos médicos por ter boa tolerância no organismo. Você não erra muito. Ele é facilmente aceito pelos pacientes, afirma, acrescentando que, se houvesse psiquiatras para realizar o diagnóstico correto, não seria necessário tanto Rivotril.

Alguns médicos quando se deparam com pacientes com distúrbios mentais é comum iniciarem o tratamento com um ansiolítico. Então, se não resolvem o problema, passam para um antidepressivo, afirma.

O psiquiatra e psicanalista Plinio Montagna, presidente da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo, acrescenta ainda que, graças aos bilhões de dólares injetados na publicidade de laboratórios farmacêuticos, hoje não existe mais o receio em tomar uma medicação para distúrbios psiquiátricos. Existe até certa glamorização da medicação, considera.

Uso controlado

Para o Rivotril, não há consenso sobre o tempo seguro de uso. A dependência ao medicamento varia conforme a dose e a predisposição do paciente, mas, segundo Junior, o uso não deve passar de quatro meses. Se o paciente é extremamente ansioso não posso tratá-lo com Rivotril a vida inteira, afirma.

O Rivotril tem cinco ações principais no organismo. Serve como anticonvulsivante para casos de epilepsia, relaxante muscular, ansiolítico, hipnótico e sedativo, sendo que, na visão de Junior, são as três últimas funções que impulsionaram as suas vendas.

A princípio, ele era divulgado entre a classe médica apenas como um anticonvulsivante, sendo os seus demais usos conhecidos e ampliados nos últimos anos.

O medicamento é da classe dos benzodiazepínicos, como Lexotan, Valium, Diazepam e Frontal, e tem como princípio ativo o clonazepam. Junior explica que a substância é absorvida pelo organismo, passa pela circulação sanguínea e age em um sistema chamado Gabaérgico, inibindo a atividade cerebral e acalmando. Ele é um dos mais potentes. Se tiver três benzodiazepínicos concorrendo no seu cérebro, ele chega primeiro, afirma.

No entanto, Junior esclarece que apenas para casos de epilepsia ele é usado sozinho. Em casos de depressão e transtorno bipolar, por exemplo, é apenas adjuvante e serve para complementar o tratamento principal.

Não vivo sem

Arquivo pessoal
Luiz não conseguia parar com Rivotril
Mas muitos ignoram o uso correto do medicamento. A funcionária pública Luana Cardoso, de 24 anos, de Porto Alegre, é um exemplo de paciente que não segue o prescrito pelo médico. Ela afirma que toma Rivotril há seis anos entre idas e vindas e "faz de conta que segue as recomendações médicas", mas, na verdade, administra do seu jeito.

Após ter tido uma Síndrome do Pânico, o psiquiatra recomendou que tomasse dois comprimidos de Rivotril por dia, um pela manhã e outro à noite. Mas Luana só faz isso de segunda à quinta-feira. Aos finais de semana, não toma para poder ingerir bebida alcoólica. Minha família toda usa Rivotril e como já vi o que acontece com quem usa e bebe prefiro não arriscar, afirma. O medicamento potencializa o efeito do álcool e, em doses muito altas, pode levar ao coma. O médico sempre diz que não o engano, só estou me enganando, mas não vou viver mais ou menos por causa de um remédio, diz.

Um dos sinais de tolerância do corpo ao remédio é precisar de doses cada vez maiores para alcançar o efeito desejado, além do que o psiquiatra Junior chama de necessidade subjetiva do uso da substância. Antes, o paciente tomava quando estava muito nervoso. Depois, a qualquer sinal de ansiedade, afirma.

O estudante V.G.A, de 23 anos, é um dos que diz não conseguir mais viver sem o remédio. Começou a tomar há três anos por indicação do médico, após ter um surto psicótico, provocado, principalmente, segundo ele, pelo uso assíduo de maconha. Era uma pessoa ansiosa e tinha sintomas de depressão, mas a cannabis mascarava isso, considera.

Após o surto, quando V.G.A afirma que teve pensamentos absurdos e mania de perseguição, o médico o receitou um antidepressivo e 6 gotas de Rivotril por dia. Hoje estou tomando 25 gotas por conta própria, à noite. Não durmo caso não tome. Me considero viciado, conta.

O bancário e estudante de psicologia Danilo Perucci, de 22 anos, também não vive sem o remédio. Ele procurou um psiquiatra após ficar com insônia por problemas familiares. Para o sono, recebeu uma caixinha de Rivotril. Hoje, admite que faz um uso cíclico do medicamento, toma seis meses e para seis, sem seguir qualquer recomendação. Uso por conta própria, só retorno para pegar outra receita, confessa.

Perucci, que se diz dependente psicológico do remédio, afirma que nunca teve problemas para conseguir novas cartelas. Eu vario entre três psiquiatras do meu plano de saúde que me receitam Rivotril sem muitas perguntas, conta.

Saúde em risco

A partir de dois meses, médicos dizem que o uso deve estar sob constante monitoramento. Além da dependência química, que é o maior dos riscos e pode ser irreversível, o uso contínuo por anos pode causar perda de memória, irritabilidade e até mesmo depressão. Durante a gravidez, pode até mesmo causar aborto. Como todos os sedativos do sistema nervoso central, em doses muito altas podem causar sonolência, reflexos diminuídos, confusão, coma, parada respiratória e, no extremo, morte. Mas as doses precisam ser muitíssimo altas, acrescenta Montagna.

Para quem resolve parar com Rivotril o caminho nem sempre é fácil. O estudante de direito Luiz Roberto Blum, de 26 anos, demorou seis meses para conseguir. Um psiquiatra me disse: pare de tomar hoje, mas eu não consegui ficar um dia sem. Tive sintomas de pânico e náuseas, revela.

Aos poucos, Blum conseguiu substituir o remédio por outro ansiolítico, mas demorou seis meses para conseguir parar completamente. O médico sempre me dizia para tomar somente quando necessário, o problema era que eu sempre achava necessário, lembra.

Ansiedade necessária

De acordo com psiquiatras, a linha que separa a ansiedade natural daquela que deve ser tratada é delicada e, caso não seja avaliada com cuidado, o paciente corre o risco de eliminar emoções importantes para o desenvolvimento da mente. Certo grau de ansiedade é necessário e inerente à condição humana, afirma Junior.

Montagna completa que a ansiedade funciona como propulsora da ação e do pensamento. É uma espécie de combustível para o funcionamento do ego. Podemos compará-la com a tensão das cordas de um violão. Se estão muito frouxas, não sai música. Se muito estiradas, podem até romper-se e também não haverá música. Num grau de tensão ótimo, aí, sim, podemos extrair música, explica.

Mesmo quando considerada uma doença, os especialistas concordam em dizer que nem sempre o tratamento com remédios é a melhor opção. É preciso verificar os motivos que estão causando a ansiedade e atuar neles. Muitas pessoas acham que tomando drogas de última geração estão sendo bem tratadas, mas, muitas vezes, é preciso diminuir as dosagens para que o paciente tenha outra dimensão do que acontece. A psicanálise pode ser bastante útil nesses casos, completa Montagna.


Ranking dos medicamentos mais vendidos no País
Até Março de 2009
Microvlar
Rivotril
Puran T-4
Hipoglos Nf
Buscopan Composto
Neosaldina
Salonpas
Novalgina
Ciclo 21
10° Sal De Eno
2008
Microvlar
Rivotril
Puran T-4
Hipoglos Nf
Neosaldina
Buscopan Composto
Salonpas
Tylenol
Novalgina
10° Ciclo 21
2004
Fonte: IMS Health
Microvlar
Neosaldina
Hipoglos Nf
Buscopan Composto
Novalgina
Rivotril
Tylenol
Cataflam
Neovlar
10° Luftal

Leia mais sobre: Rivotril

    Leia tudo sobre: rivotril

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG