BARUERI - O Rio Cotia transbordou na madrugada desta terça-feira e deixou diversas casas dos municípios de Barueri e Carapicuíba, na região metropolitana de São Paulo, alagadas. Segundo informações da Defesa Civil, algumas famílias foram obrigadas a deixar as casas às pressas, outras ficaram ilhadas. As defesas civis de Carapicuíba e Barueri informaram que 49 casas foram atingidas.

Em Carapicuíba, o alagamento ocorreu, principalmente, na Vila Lurdes, onde cerca de 30 casas foram atingidas. De acordo com o coordenador da Defesa Civil no município, José Moreira Almeida, a água chegou a atingir 1,80 metro em alguns pontos.

Agência Estado
Água do Rio Cotia causa estragos na Rua Projetada, no bairro de Vila Lurdes em Carapicuíba. Um balanço das defesas civis de Carapicuíba e de Barueri, na região metropolitana de São Paulo, concluiu que 49 casas já foram atingidas pelo alagamento ocorrido na madrugada desta terça-feira, 27. A área atingida, um terreno particular, foi invadida irregularmente pelas famílias, de acordo com a Secretaria de Comunicação Social de Barueri. O alagamento ocorreu nos bairros Vila Lurdes, em Carapicuíba, onde 30 casas foram atingidas, e outras 19 residências no Jardim Maria Helena, em Barueri.
Água do Rio Cotia causa estragos na rua Projetada, no bairro de Vila Lurdes, em Carapicuíba. A área atingida, um terreno particular, foi invadida irregularmente pelas famílias, de acordo com a Secretaria de Comunicação Social de Barueri.

Segundo ele, a Defesa Civil e os Bombeiros estiveram no local, mas, como julgaram que as pessoas não corriam riscos, elas não foram retiradas e poderão deixar suas casas quando a água baixar. De acordo com a Defesa Civil, não há desabrigados ou desalojados.

Já do lado da cidade de Barueri, o inspetor Pedro Domingues afirma que pelo menos 19 casas foram atingidas. Todas elas, segundo ele, estão em área irregular e que foi invadida. "É uma área de várzea. Tem um barraco que está quase dentro do rio", diz.

Agência Estado
asdfasdf
Transbordamento da barragem do Rio Cotia

Ele afirma que a Secretaria de Promoção Social está no local e providenciou almoço para as famílias.

Segundo Domingues, o tempo está bom nesta terça-feira na cidade, não chove mais, e as águas do Rio Cotia já baixaram. "Logo, nos concentraremos só no trabalho de limpeza e atendimento às famílias", afirma.

Causas

A água invandiu as ruas da cidade por volta das 4h30 desta terça-feira após o transbordamento do Rio Cotia. Porém, as causas do aumento repentino das águas do rio ainda não foram totalmente esclarecidas já que, segundo a Defesa Civil, não chovia mais nas cidades. Choveu forte na segunda-feira, mas, durante a madrugada, não.

A Defesa Civil afirma que alguns moradores relataram que ligaram para a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), pois a empresa teria liberado no rio água do reservatório, já que a água teria invadido a casa de máquinas da unidade. A companhia nega a informação.

Por meio de nota, a Sabesp diz que os problemas ocorridos nos municípios "nada têm a ver com qualquer anormalidade nas represas da Graça e Pedro Beicht" e reitera que a forte chuva que caiu na região (pluviometria de 94,4mm) provocou o transbordamento do rio. A nota diz ainda que o abastecimento à população não foi afetado.

*Com informações da Agência Estado

Leia mais sobre enchente

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.