Rio sedia congresso mundial sobre exploração sexual

RIO DE JANEIRO ¿ Acontece desta terça-feira (25) a sexta-feira (28), o 3° Congresso Mundial de Enfrentamento da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, no Rio de Janeiro. Devem participar do encontro delegações de mais de 125 países - cerca de três mil pessoas, entre elas adolescentes e jovens que terão papel ativo nos debates. Os dois primeiros congressos foram realizados em Estocolmo, na Suécia (1996), e em Yokohama, no Japão (2001).

Redação com Agência Brasil |

Acordo Ortográfico

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a primeira-dama Marisa Letícia devem participar da cerimônia oficial de abertura, nesta terça-feira à noite, no Riocentro, em Jacarepaguá, zona oeste da cidade, a partir das 19h30. Vão estar presentes também os ministros Paulo Vannuchi, da Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Patrus Ananias, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, e Luiz Barretto, do Turismo. A rainha Silvia, da Suécia, também deve participar da solenidade.

O Programa Internacional para a Eliminação do Trabalho Infantil (IPEC), da Organização Internacional do Trabalho (OIT), lançará, durante o encontro, um novo guia para o enfrentamento do tráfico e da exploração sexual de crianças e adolescentes. O manual Combatendo o Tráfico de Crianças para a Exploração no Trabalho: Um Kit para Gestores Governamentais e Técnicos traz boas práticas e pesquisas para implementar programas e fortalecer políticas públicas no setor.

Diferentemente do congresso realizado em Yokohama, direcionado exclusivamente na exploração sexual infantil, o fórum no Brasil vai tratar de estratégias para combater as formas não comerciais da exploração sexual de crianças, como o abuso infantil dentro de casa, por líderes religiosos, professores, forças da paz e grupos armados em zonas de conflito.

Um tema que será abordado é o uso de ferramentas cibernéticas para chegar às crianças, como as salas de bate-papo, a nova geração tecnológica de telefones celulares e utilizar a internet para enviar ou receber conteúdo pornográfico infantil.

Leia mais sobre: exploração sexual

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG