Operação neste sábado usa 100 quilos de dinamite no Complexo Penitenciário Frei Caneca

A Secretaria de Estado de Habitação do Rio de Janeiro (SEH) implodiu neste sábado o presídio Hélio Gomes, último prédio remanescente do Complexo Penitenciário Frei Caneca, no centro da capital fluminense. Os demais oito prédios do complexo foram implodidos em março passado. Foram usados 100 quilos de dinamite na operação deste sábado.

O secretário estadual de Habitação, Bruno Feitosa, informou que no local do complexo penitenciário, em área de aproximadamente 66 mil metros quadrados, será construído um conjunto habitacional com 2.500 casas e área de lazer, por intermédio do programa federal Minha Casa, Minha Vida. As unidades residenciais se destinam à população de baixa renda.

Feitosa pretende iniciar as obras ainda este ano. “A previsão de entrega das obras é de 12 a 15 meses”, disse. Terão prioridade na ocupação dos imóveis famílias de comunidades carentes e desabrigadas pelas chuvas ocorridas no início de abril, no município do Rio.

Com o nome de Casa de Correção da Corte, o Complexo Penitenciário Frei Caneca começou a ser erguido em 1850, no 2º Império, e abrigou, em 150 anos, presos famosos, como o escritor Graciliano Ramos. Os últimos detentos que cumpriam pena no local foram transferidos, no início deste ano para o Complexo Penitenciário de Bangu, na zona oeste da cidade.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.