Rio comemora o dia de seu padroeiro com missas e encenação teatral

RIO DE JANEIRO - Centenas de fiéis lotaram a Igreja de São Sebastião, mais conhecida como Igreja dos Capuchinhos, no bairro da Tijuca, zona norte do Rio, para assistir às missas em louvor ao santo padroeiro da cidade. A igreja abriga a imagem de São Sebastião trazida em 1565 pelo fundador da cidade, Estácio de Sá. O dia dedicado ao santo, 20 de janeiro, é feriado municipal na capital fluminense.

Redação com Agência Brasil |

A primeira missa foi celebrada às 5 horas e até o fim do dia, outras sete estavam programadas para acontecer na igreja da Tijuca e mais duas na Catedral Metropolitana, no centro, também dedicada a São Sebastião.

Também estavam programadas a realização de uma procissão e a encenação do Auto de São Sebastião, espetáculo promovido pela Associação Cultural da Arquidiocese do Rio, com  texto do escritor e novelista Walcyr Carrasco.

Ao contrário de outras capitais brasileiras, o Rio de Janeiro tem seu feriado no dia do padroeiro e não na data de fundação da cidade (1º de março). Para o historiador Milton Teixeira, isso se deve à tradição do feriado de São Sebastião, celebrado desde 1568. Na época, esse também era o dia em que tomavam posse os vereadores da cidade, vestidos com uma roupa toda trabalhada, cheia de penachos.

Segundo o historiador, mesmo a República manteve o feriado de 20 de janeiro pela sua tradição. A única vez em que tentaram tirá-lo, em 1966, houve uma chuva tamanha na cidade que nenhum administrador pensou mais nesse assunto, afirmou Teixeira.

Com relação ao nome da cidade, o historiador não concorda com a tese de que os navegadores portugueses, ao entrarem pela primeira vez na Baía de Guanabara, em 1º de janeiro de 1502, a confundiram com a foz de um rio e, por isso, deram ao local o nome de Rio de Janeiro.

Para ele, a expedição, que tinha como cartógrafo um navegador experiente, o florentino Américo Vespúcio, teria batizado o lugar como Ría de Janeiro. Ría era o nome que os portugueses davam às entradas de baía e, com o passar dos anos, esse nome passou a ser rio, explicou.

    Leia tudo sobre: rio de janeiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG