Revistas difundiram novos hábitos no cuidado com bebês e crianças

A maternidade como é exercida hoje não tem nada de “natural” ou “intuitiva”. Hábitos simples e corriqueiros - como o uso de termômetro, berço individual, quarto arejado, a prática de ferver chupetas e bicos e de dar banhos diários nas crianças - surgiram a partir de 1920.

Agência Estado |

É a chamada maternidade científica, fruto de uma aliança entre mulheres e médicos, forjada nas páginas das revistas ilustradas que proliferavam na época.

Essa nova maternidade surgiu no período da Primeira República. Havia um discurso político, apoiado pelo movimento feminista, de se criar uma nova nação. O pensamento era de que a mulher deveria ser “educada” para ser mãe. E as revistas ilustradas cumpriam esse papel.

“Nesse período também se construiu a carreira do puericulturista. Mais do que tratar das doenças das crianças (o pediatria tinha surgido um século antes), ele fazia um acompanhamento para garantir o desenvolvimento sadio. Esse profissional precisava se legitimar na sociedade, e isso aconteceu por meio das revistas ilustradas”, diz a médica Martha Freire, que estudou o tema a partir de duas dessas publicações, Vida Doméstica e Revista Feminina.

Em artigos muitas vezes assinados pelos médicos, as mães eram orientadas a deixar para trás antigas crenças e hábitos - como chazinhos, simpatias e amas de leite. “Antes, as mães sabiam que os filhos cresciam porque a roupa apertava. A febre era verificada com a mão. Tudo isso foi desqualificado e ferramentas científicas passam a ser usadas, como a balança e o termômetro.”

Esse caminho para a “construção de uma nova nação”, em que mães eram incentivadas a educar-se para melhor cuidarem da família, também abriu espaço para a valorização da mulher. O campo de trabalho, antes restrito às atividades domésticas e ao magistério, foi estendido à enfermagem e nutrição, entre outras carreiras. “Elas conseguiram legislação que as protege, como licença maternidade, e melhores condições de educação”, diz Martha. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG